Princesa Isabel ganha o reconhecimento de cachaça orgânica - Mapa da Cachaça
Verallia

Princesa Isabel ganha o reconhecimento de cachaça orgânica

29 de 11 de 2019

Após 5 anos em busca de melhorias para transformar a produção 100% sustentável e sem agressão ao meio ambiente, o reconhecimento foi oficializado na última semana de novembro

Nesta última semana de novembro a marca de cachaça Princesa Isabel anunciou que recebeu o selo de Certificação Orgânica, que foi emitido pelo Instituto Chão Vivo, certificadora credenciada ao Ministério da Agricultura.

Esse é um reconhecimento que Adão Cellia, criador da cachaça, buscava desde o início da Princesa Isabel, que foi estabelecida para ser uma produção cachaceira com o menos impacto possível, em que todo o processo, desde o plantio até a energia consumida pela fazenda, é pensado para ser sustentável.

“A primeira coisa que fizemos quando criamos a Princesa Isabel foi de procurar uma consultoria para nos fazer um diagnóstico e buscar os melhores métodos para caminharmos para uma produção orgânica…o trabalho mais intensivo foi com relação a plantação e manutenção do canavial”, relata Adão Cellia.

Essa questão da plantação é bem interessante. Adão explica que foram desenvolvidas novas práticas com relação ao adubo, que são produzidos na própria fazenda Tupã e que todo o bagaço e vinhoto da cana voltam para o canavial através da compostagem. Outro ponto importante é que foram desenvolvidas bactérias heterotróficas da própria fazenda que são pulverizadas na cana, ao invés do uso de agrotóxicos.

No ano de 2017,o Sebrae deu apoio também para que a produção entrasse nas normas técnicas de produção orgânica e acompanhou durante um ano todo o processo de perto, auxiliando a Princesa Isabel com os POPs (Procedimentos Operacionais Padrão).

Práticas sustentáveis da Princesa Isabel

Cachaça Princesa Isabel - Linhares - Espirito Santo

A bela paisagem que cerca a Fazenda Tupã, onde é produzida a cachaça Princesa Isabel

Em junho deste ano, a Fazenda Tupã recebeu a instalação de placas de energia fotovoltaicas que produzem energia solar para toda a região da fazenda e também para a capital do Espírito Santo, Vitória, o que tornou a produção 100% auto sustentável.

Além das práticas técnicas, o respeito com a natureza tange todo o pensamento de Adão, que traz isso para os valores da cachaça Princesa Isabel. Um desses exemplos foi o reaproveitamento de uma jaqueira que estava condenada por causa de uma enchente na fazenda, e foi transformada em dornas que envelhecem a Cachaça Princesa Isabel Sete Cores, uma das bebidas do catálogo que mais se diferencia pelo sabor peculiar da madeira.

De acordo com Adão, a ideia de adequar a produção aos padrões da certificação orgânica é mais uma preocupação com o meio ambiente que cerca a região da Fazenda Tupã, do que uma estratégia comercial.

“Nós fizemos porque entendemos que é uma contribuição que temos que dar ao planeta, a nossa natureza que é muito bonita aqui às margens do Rio Doce e produzir de forma orgânica é mais sustentável e todo mundo acaba ganhando, foi uma estratégia mesmo para a sustentabilidade”, conclui Adão.

Anúncios

PUBLICADO POR:

Comentários

Seleção de Cachaças

youtube google-plus facebook twitter instagram user filter list