O meu consolo é viver nesta alegria
Cambaleando, vendo a lua em pleno dia
O meu consolo é viver sempre na água
Porém meu peito não conhece o que é mágoa

Os taberneiros já não podem vender mais
Depois das sete não posso tomar meu gás
Mas sou um cabra que não perco a minha linha
Trago no bolso sempre a minha garrafinha

Quando eu passo um só momento sem beber
Fico maluco, pensando até que vou morrer
Mas dos paus-d’águas sou o rei, sou coroado
E na tendinha sou freguês considerado

Quando eu morrer quero em minha sepultura
Uma das pipas, das maiores, sem mistura
O encanamento que me venha até a boca
Em pouco tempo deixarei a pipa oca

Ninguém repare, este é o meu natural
Ninguém repare, este é o meu moral
Ninguém repare eu andar cambaleando
Adeus, adeus, que já são horas, vou chegando

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Curso

    Aprenda o Essencial da Cachaça

    R$190

    Já se inscreveu no Mapa da cachaça?

    40 mil já fazem parte da nossa comunidade.

    Se inscreva agora e receba no seu e-mail o melhor do Mapa da Cachaça