bebidas alcoolicas

O mundo das bebidas alcoólicas está repleto de histórias inusitadas e informações fakes. Para incentivar um consumo moderado e inteligente é importante estar sempre atento aos dados confiáveis. Aqui desvendamos verdades e mitos sobre o consumo de fermentados e destilados.

Você sabia que uma das histórias mais famosas sobre a origem da cachaça não passa de uma teoria mirabolante? Pois é, nem tudo que a gente encontra na internet é dado confiável. Para fazermos escolhas inteligentes na hora do consumo moderado de bebidas alcoólicas é importante ler as fontes corretas. Por isso, decidimos fazer um levantamento do que é verdade e mito relacionado ao consumo de bebidas alcoólicas.

Um copo de cerveja é mais “fraco” do que uma dose de cachaça.

Mito: Independentemente da bebida a ser consumida, 1/2 pint de cerveja, meia taça de vinho, uma dose de whisky on the rocks ou uma talagada de cachaça, leve sempre em consideração quantas gramas de álcool serão ingeridos. A quantidade consumida interfere mais do que o teor alcoólico. Um copo de 330ml de cerveja, por exemplo, equivale a 30ml de whisky ou a 100 ml de vinho – de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) uma dose padrão contém 12g de álcool puro.

copo de cerveja
Não vale passar dos limites no consumo de cerveja e chamar a pessoa de cachaceira. A quantidade consumida interfere mais do que o teor alcoólico – ou seja, independente de beber fermentados ou destilados o segredo é consumir de maneira consciente e responsável.

As mulheres são mais sucetíveis aos efeitos do álcool do que os homens.

Verdade: A concentração de álcool acaba sendo maior no corpo das mulheres por dois fatores: o corpo feminino tem menos quantidade de água para o álcool ser distribuído e menos enzimas que quebram o álcool no estômago e no fígado do que nos homens. Então, os efeitos do álcool são perceptíveis mais rapidamente nas mulheres.

Ingerir bebidas alcoólicas com estômago cheio retarda os efeitos do álcool.

Verdade: é uma excelente ideia comer antes ou durante o consumo de bebidas alcoólicas. O alimento desacelera o ritmo de absorção do álcool na corrente sanguinea, dando mais tempo para o corpo quebrar o álcool no estômago.

álcool e comida
Comer um hamburger antes ou durante o consumo de bebidas alcoólicas pode ser uma boa porque a carne vermelha possui alta concentração de aminoácidos e vitamina B, o que potencializa o processamento dos subprodutos do álcool no organismo, retardando seus efeitos.

A melhor dica de todas para retardar o efeito do álcool e acordar bem no dia seguinte é tomar água ou outras bebidas não alcoólicas durante o consumo de fermentados e destilados. O consumo de álcool faz com que o corpo perca água, causando desidratação – por isso o sentimento de boca seca, náuseas, dores de cabeça e outros sintomas típicos de ressaca.

Beber de barriga vazia ou virar “shots” muito rapidamente, resulta numa sobrecarga de álcool no corpo acelerando os efeitos da bebida no organismo. Outros fatores como peso, saúde, idade, estresse ou outras doenças também afetam a forma como seu corpo reage às bebidas alcoólicas.

Beber café, tomar um banho gelado ou fazer exercícios no dia seguinte ajudam a cortar os efeitos do álcool.

Falso: Uma ressaca não pode ser curada porque o organismo precisa de tempo para metabolizar o álcool ingerido. Apesar das pessoas acharem que uma xícara de café forte ou um banho gelado podem ajudar, na prática eles apenas causam uma sensação de despertar devidos os efeitos da cafeína e do choque térmico de uma temida, mas revigorante água gelada no corpo.

Apenas tempo pode ajudar a eliminar o álcool do corpo. O fígado tem capacidade de eliminar 1 dose de álcool (12 gramas de álcool) por hora: 330ml de cerveja, 30ml de whisky ou 100 ml de vinho.

Exercícios físicos no dia seguinte também não trazem benefício algum para eliminar o álcool do corpo. A endorfina no sangue depois de uma boa corrida até traz uma sensação de bem-estar, mas infelizmente o álcool não é eliminado pelo suor. Além disso, com os reflexos e a coordenação motora prejudicados o risco de lesões musculares é ainda maior.

café espresso
Café, chás ou outras bebidas ricas em cafeína podem dar uma sensação revigorante, mas não são capazes de ajudar a eliminar o álcool do sangue.

Ingerir bebidas alcoólicas pode cortar o efeitos de medicamentos.

Verdade: O álcool no organismo pode neutralizar ou intensificar a ação de alguns medicamentos. Além disso, tanto o álcool como os remédios são metabolizados pelo fígado, que pode ser sobrecarregado, comprometendo o tratamento e podendo trazer outros problemas de saúde.

A Lei Seca e as sobremesas com álcool:

Verdade: Sobremesas com álcool, como os bombons recheados com licor, podem ser detectadas no bafômetro – claro que vai depender da quantidade da bebida no doce, o seu teor alcoólico e também a quantidade consumida. Já receitas flambadas ou que adicionam a bebida alcoólica durante o preparo e que são posteriormente aquecidas o risco não existe porque o álcool evapora. O ponto de ebulição do álcool é de 78ºC, ou seja, o álcool é eliminado antes da água que evapora a 100 ºC.

O alerta fica mesmo para quem acha que aquela cervejinha não prejudica a capacidade do motorista. Uma dose de cerveja já é o suficiente para alterar a coordenação motora, a capacidade de reação e de tomada de decisões – portanto, não custa lembrar: se beber não dirija.

As bebidas alcoólicas ajudam a nos aquecer em dias frios:

Falso: Apesar da sensação de aquecimento, na verdade o consumo de bebidas alcoólicas diminui nossa temperatura corporal e pode ser perigoso durante os invernos severos. O álcool causa a dilatação dos vasos sanguíneos, fazendo o sangue fluir pelas artérias e acelerando a perda de calor nos órgãos.

O álcool também pode reverter alguns reflexos naturais do corpo para o controle da temperatura, como a capacidade de tremer e arrepiar. Ele também pode desregular nosso organismo nos fazendo suar mesmo no frio, o que diminui ainda mais a temperatura corporal.

Quem bebe cachaça com limão e mel não adoece?

Falso: Incluir na alimentação produtos cítricos como limão, laranja e morangos aumenta a imunidade. Isso ajuda o corpo a combater os invasores quando um vírus se instala, amenizando os efeitos da doença. Ter uma boa alimentação é essencial para ter saúde. 

Mas, os alimentos e bebidas não são um escudo contra infecções. Embora existam estudos que relacionem o consumo moderado de bebidas alcoólicas com benefícios para a saúde, não há comprovação de que fermentados e destilados criem uma barreira contra virus, como o Covid-19

Uma das notícias que circulam pela redes cita a entrevista de um britânico que afirmou ter se curado da doença com uísque e mel. O Ministério da Saúde advertiu que a notícia é falsa. E pediu para que não fosse compartilhada. “Até o momento, não há nenhum medicamento específico, infusão, óleo essencial ou vacina que possa prevenir a infecção pelo coronavírus”, informa a nota.

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Curso

    Aprenda o Essencial da Cachaça

    R$190

    Já se inscreveu no Mapa da cachaça?

    40 mil já fazem parte da nossa comunidade.

    Se inscreva agora e receba no seu e-mail o melhor do Mapa da Cachaça