Projeto: Identidade visual e rótulo para cachaça Kamulaia
Guanhães – MG
Fabricante: COPERCACEN | Cooperativa dos Produtores de Cachaça e Derivados de Cana-de-açúcar do Centro-nordeste de Minas Gerais Ltda.
Ano de criação: 2005
Designer: Luiz Henrique Diniz Miranda, Fonte 31 design, Belo Horizonte – MG, 1967
Técnica de ilustração: desenho aquarelado com tratamento digital no Photoshop
Técnica de impressão: Off set

Rótulo da Cachaça Kamulaia

Kamulaia era o nome dado para a cachaça pelos escravos da região de Guanhães, Minas Gerais. Justa e adequada homenagem, já que umas das histórias contando a origem da cachaça relata que foram eles, os escravos africanos, que deram início à produção do destilado brasileiro. A temática africana, no nome e design do rótulo, é mais uma prova da infinidade de temas que permeiam o universo da cachaça.

A cachaça [cachaca id=”6503″]Kamulaia[/cachaca], marca de pequenos produtores organizados na Cooperativa dos Produtores de Cachaça de Alambique e Derivados de Cana-de-açúcar do Centro Nordeste Mineiro – a Coopercacen – ganhou prêmio de melhor embalagem para exportação na Fispal Nordeste 2005 . E atraiu a atenção dos comerciantes que vislumbraram uma boa presença na gôndola, dada sua originalidade. “Ela não é nada tradicional, não se parece com os rótulos de cachaças mineiras que temos no mercado.” conta a gerente-geral da Coopercacen Fátima Aguilar.

O rótulo e embalagem da cachaça Kamulaia foram desenvolvidos pelo designer mineiro Luiz Henrique Diniz, da Fonte 31, com orientação e apoio do extinto projeto Via Design do Sebrae. Luiz Henrique  ressalta o trabalho do Sebrae, que na intermediação entre agências e pequeno produtor, ajuda na conscientização da importância de um trabalho feito por especialistas.

O rótulo anterior tinha como imagem uma tela do pintor Jean Baptiste Debret em que escravos movimentam uma moenda. Esta imagem revela uma visão negativa, equiparando o ser humano ao animal e que precisa ser combatida por aqueles que trabalham com a produção de um produto autenticamente brasileiro. O rótulo anterior foi criticado por movimentos de valorização do Negro, que convenceu o produtor a desvincular a marca desta imagem. “Para extrair o suco da cana, usavam-se engenhocas de madeira (moendas) movidas por animais, pelos escravos ou pela força da água.”

Aquarela sobre papel de Jean Baptiste Debret: Machine à exprimer le jus de la canne à sucre (Engenho manual que faz caldo de cana), Rio de Janeiro, 1822.

O novo rótulo, do designer Luiz Henrique Diniz, referencia a grandiosa contribuição do negro à cultura nacional, ainda observando a temática estruturada nos escravos africanos do período colonial.

A extensa pesquisa inicial foi fundamental no projeto e, segundo o designer, a etapa mais demorada: incluiu horas de estudo em livros de arte e até uma pesquisa de campo em Ouro Preto, em busca do repertório visual da rica cultura africana. Observou-se estamparia, pintura mural, cerâmica e a arte acadêmica, entre outras.

Fragmentos de tecido com lindas padronagens inspiraram o designer a criar o rótulo que remete à estamparia africana. A etapa seguinte tratou de adaptar a arte para o suporte gráfico, com o desafio de não perder o traço humano ao digitalizá-la. A rusticidade está presente também na tipografia manuscrita e desenhada exclusivamente para a cachaça Kamulaia.

O resultado é um rótulo que apresenta um conceito visual pouco explorado no universo imagético da cachaça, com embasamento conceitual e originalidade apurados.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Barril de amburana

Barril de amburana para envelhecer cachaça

Barril de diversos tamanhos da madeira amburana (Amburana cearenses) para envelhecer cachaça e outras bebidas como rum, cerveja e coquetéis.

Comprar
barril de balsamo

Barril de bálsamo para envelhecer cachaça

Compre barril de bálsamo para envelhecer bebidas e agregar novas cores, aromas e sabores ao seu destilado (cachaça, rum, uísque), cerveja ou coquetel.

Comprar
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
  • Fernando Carvalho
    junho 19, 2012 at 4:50 pm

    Excelente artigo… seria prodigo mais disto !!! parabéns pela analise e pelo espaço que o site proporciona…
    Sabemos que o que importa é o conteúdo, mas também compramos com os olhos e a analise é muito legal !!!
    Gostaria de ver também a inserção da “cachaça ” na literatura de cordel… seria muito rica e com certeza prazerosa em ler.

  • mariana jorge
    junho 19, 2012 at 6:54 pm

    Oi Fernando,

    Fico feliz que tenha gostado! O próximo post terá a análise de um rótulo de inspiração na literatura de cordel. Espero que goste! Abs

  • Laércio Zulu
    outubro 6, 2013 at 10:28 pm

    Cachaça e seus valores culturais.
    Fico feliz por ter profissionais como vocês para compartilhar essa cultura.

Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: