Por que devemos valorizar os bons produtores de cachaça?

Desde a sua origem no litoral de São Paulo em meados de 1532 até o recente reconhecimento internacional como destilado tipicamente brasileiro, a cachaça passa por estigmas e preconceitos que a classificam injustamente como uma bebida inferior.

O senso comum que promove sua desvalorização é motivado pela falta de informação, pela presença de cachaças de baixa qualidade no mercado e por conflitos históricos e culturais de um Brasil Colônia que sempre teve sua produção de aguardente marginalizada.

Em 2010, lançamos o site Mapa da Cachaça com o objetivo de ser uma fonte de informação para representar a cachaça como um destilado de elevada qualidade sensorial e importante patrimônio cultural brasileiro. Uma inspiração foi o livro Vinho & Guerra – uma abordagem da segunda Guerra Mundial pela perspectiva dos produtores artesanais de vinho na França. Os autores conseguiram apresentar a cultura francesa e esse importante período da história mundial escrevendo sobre os valores e tradições ligados a uma atividade tão próxima do povo francês. Como pesquisadores e brasileiros buscando conhecer mais sobre o nosso país nos perguntávamos: será que conseguimos fazer o mesmo ao falarmos sobre cachaça?

Depois de quase três anos de pesquisas, produção de conteúdo e conhecendo muito produtor de cachaça, entendemos que não podemos falar de cachaça sem falar de Brasil – a bebida está presente em diversas manifestações próprias do país. A cachaça acompanhou ciclos econômicos, foi símbolo de movimentos inconfidentes, influenciou a criação de tradições regionais, trouxe o nosso humor jocoso em seus milhares de rótulos e diversificou sua produção com a expansão das fronteiras brasileiras – hoje ela é produzida em praticamente todos os Estados federativos.

Marcas de Cachaça - Infográfico

Com o nosso envolvimento no tema, fomos também conhecendo os atributos de aromas e sabores de uma boa caninha. Se destilados mais conceituados são reconhecidos por passarem por madeira, a cachaça feita com cuidado é uma bebida tão boa que pode até dispensar o envelhecimento em barris e dornas. Agora, se formos usar as mais de 20 madeiras nativas para reter uma branquinha a complexidade sensorial aumenta consideravelmente. Diversos estudos realizados na USP, UNESP, UFRJ, Universidade de Lavras e outros importantes centros de pesquisa analisaram os componentes químicos da cachaça atribuindo mais de 30 descritores sensoriais para a pinguinha. Não se estranhe se encontrar uma cachaça com perfume de flor de laranjeira e outra com toques de especiarias que lembram cravo.

Como nas outras bebidas, as propriedades sensoriais são definidas durante diferentes etapas do processo de produção. As condições climáticas, a variedade de cana-de-açúcar, a levedura usada durante o processo de fermentação, a destilação em coluna de inox ou alambique de cobre, o tipo de madeira usado para armazenar ou envelhecer o destilado são algumas das variáveis que definem a receita de cada produtor. Será que a cachaça produzida na Serra Gaúcha tem características que a classificam e diferem das cachaças produzidas no Norte de Minas Gerais? Assim como o uísque e o vinho poderíamos definir um terroir para a cachaça?

A complexidade sensorial da cachaça e a identificação de uma cultura de produção em algumas regiões, como o uso de leveduras francesas no Rio Grande do Sul e os segredos para o envelhecimento em bálsamo aplicados em Salinas, nos fazem crer que podemos mapear e descrever os principais pólos de produção da aguardente.

No Mapa da Cachaça não temos a pretensão de encontrar todas as respostas para as perguntas aqui levantadas – acreditamos que elas surgirão ao longo de muita pesquisa e com o envolvimento de especialistas, produtores, órgãos governamentais, acadêmicos e apreciadores da bebida. Mas durante a jornada de descobrimento, queremos mostrar que a cachaça é um destilado de qualidade e que o produtor ousado, aquele que busca criar uma cachaça diferenciada e de excelente qualidade, merece ser valorizado. Esse movimento se torna importante porque, infelizmente, estamos num mercado que os bons produtores nem sempre encontram o espaço de destaque que merecem.

Quando conseguirmos mostrar a riqueza histórica, cultural e sensorial da cachaça estaremos contribuindo para colocar o destilado brasileiro no seu devido lugar, ao lado dos outros grandes destilados do mundo – mas só conseguiremos fazer isso se formos representados pelos bons produtores de cachaça – eles são fundamentais e merecem ser valorizados.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dorna de Bálsamo

Dorna de bálsamo para envelhecer cachaça

Quer envelhecer sua própria cachaça, cerveja ou coquetel? Temos a dorna de bálsamo que você precisa para começar seus experimentos.

Comprar
dorna de amburana

Dorna de amburana para envelhecer cachaça

Já pensou em ter sua própria dorna para envelhecer cachaça? Nós fizemos uma seleção dos melhores barris e dornas de amburana para você começar seus experimentos em casa com bebidas  fermentadas e destiladas.

Comprar
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
  • Mauri
    novembro 28, 2013 at 3:43 pm

    parabenizo o Mapa da Cachaça pelos trabalhos e descobertas de cachaças pelo Brasil afora.Eu não sou cachaceiro porque dizem quem fabrica cachaça é que é o verdadeiro cachaceiro.não sou consumidor assíduo.mais tomo uma quando vejo que é de ótima procedência.Admiro muito as pessoas que com muito esforço abraçou esta causa de valorizar o nosso produto,não só a cachaça mais outros produtos que só no nosso pais é encontrado.abraços a todos.

    • Mapa da Cachaça
      novembro 28, 2013 at 4:32 pm

      Muito obrigado, Mauri! 🙂 um grande abraço pra vc que pode não beber muita cachaça, mas aprecia as coisas verdadeiras e valoriza a cultura brasileira.

Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: