Expedição Mapa da Cachaça – As madeiras para envelhecer cachaça

O envelhecimento de bebidas alcoólicas é uma arte que remete a mais de 2 mil anos. A princípio o uso de vasilhas de madeira tinha função de transporte e conservação da bebida. Mas com o entendimento de que a madeira poderia agregar sabores diferenciados e muito apreciados aos fermentados e destilados, a prática se tornou muito comum no processo de produção de bebidas alcoólicas –  e em alguns casos, até mesmo exigido por lei. Na Grã Bretanha, por exemplo, todo o Scotch Whiskey puro malte deve ser armazenado em barris de carvalho por um período mínimo de três anos.

Barril de Carvalho da Cachaça Pendão - Envelhecer Cachaça
Barril de carvalho usados para envelhecer cachaça

Se a cachaça já é gostosa e complexa na sua versão branquinha, aquela que não passa por madeira, o processo de envelhecer a bebida aumenta ainda mais a percepção de aromas e sabores. O tamanho do barril, o tempo de envelhecimento, a temperatura e a técnica de tosta são todos fatores que influenciam o resultado sensorial final. No entanto, enquanto a maioria das bebidas é envelhecida em carvalho (Quercus robur, Quercus sessile ou Quercus alba), o envelhecimento de cachaça apresenta uma variável muito interessante: o uso de madeiras nativas, como o jequitibá, amburana, ipê, ariribá, bálsamo, pau-brasil e muitas outras (são mais de 20 catalogadas aqui no Mapa da Cachaça).

Algumas regiões do Brasil, como a Serra Gaúcha e Salinas, dominam a prática de reter uma boa branquinha em madeira. No Rio Grande do Sul, a técnica veio com os ensinamentos dos produtores de vinho. No norte de Minas Gerais, o bálsamo e a amburana, são madeiras tradicionais que marcam um terroir local. No entanto, apesar de ser uma prática muito difundida pelo país, ainda se tem pouca informação (e um bocado de desinformação) sobre os efeitos das diversas madeiras na cachaça.

Barril de Cachaça - Envelhecer Cachaça
No Mapa da Cachaça estamos estudando os efeitos das madeiras na cachaça

Quando visitamos os alambiques do Sul Fluminense, encontramos uma região com tradição em produzir boas cachaças brancas. Em Paraty, por exemplo, os produtores se orgulham em engarrafar branquinhas potentes que exalam os aromas primários da cana de açúcar. Agora, nessa nova Expedição Mapa da Cachaça, vamos em busca de entendermos sobre as cachaças amarelinhas e as técnicas de envelhecimento da bebida em diversas madeiras.

Para encontrarmos as respostas para muitas perguntas, vamos percorrer mais de 3 mil km, durante uma semana, entre São Paulo e Minas Gerais.

Veja nosso mapa de viagem:

1. Visitar a Dra. Aline Bortoletto na ESALQ-USP em Piracicaba – São Paulo. O meio acadêmico tem estudado muito sobre cachaça. USP, UNESP, Universidade de Lavras são alguns dos centros de pesquisa sobre o destilado. A Dra. Aline Bortoletto é uma das grandes estudiosas quando o assunto é envelhecimento.

2. Visitar a Dornas Havana – uma das principais tanoarias do Brasil em Taiobeiras no norte de Minas Gerais. Por lá, vamos conhecer e documentar todas as etapas de produção de dornas e barris.

3. Fazer um estágio/curso no CTC (Centro de Tecnologia em Cachaça) em  Itaverava – MG. Vamos fazer um curso de mestre alambiqueiro e master blender – geralmente, no mundo da cachaça, são os profissionais chamados para misturar cachaças envelhecidas em diferentes madeiras e criar uma nova bebida com suas assinaturas.

4. Dar um pulinho nos principais alambiques do Norte de Minas e da Região Metropolitana de BH. Claro, a gente não poderia deixar de visitar uma bom alambique de cachaça artesanal.

Além de criar conteúdo e gerar conhecimento para nossos seguidores aqui do Mapa da Cachaça, a viagem tem o objetivo de valorizarmos os produtores que realmente envelhecem suas cachaças – e não utilizam chips, extratos e fragmentos para simular um envelhecimento e enganar o consumidor.

Vemos vocês na estrada! Ao longo da viagem, vamos colocar mais informações aqui e nas nossas redes sociais.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dorna de Bálsamo

Dorna de bálsamo para envelhecer cachaça

Quer envelhecer sua própria cachaça, cerveja ou coquetel? Temos a dorna de bálsamo que você precisa para começar seus experimentos.

Comprar
dorna de amburana

Dorna de amburana para envelhecer cachaça

Já pensou em ter sua própria dorna para envelhecer cachaça? Nós fizemos uma seleção dos melhores barris e dornas de amburana para você começar seus experimentos em casa com bebidas  fermentadas e destiladas.

Comprar
Barril de amburana

Barril de amburana para envelhecer cachaça

Barril de diversos tamanhos da madeira amburana (Amburana cearenses) para envelhecer cachaça e outras bebidas como rum, cerveja e coquetéis.

Comprar
  • mario
    fevereiro 9, 2014 at 8:55 am

    tomo cachaça desde os 19 anos , estou c/ 63 e tomo alguma doses diarias amo as bem feita e desprezo as azedas,kkkkk, gostei!!!!!!!!!!!

  • Jaime Luiz tido
    junho 2, 2014 at 8:49 pm

    Sou apreciador de uma boa cachaça mas meu paladar é para o adocicado como a cachaça de umburana, adoro!
    Parabéns pela iniciativa de levar essa bebida tão gostosa e a melhor que existe.

  • copo cheio
    junho 2, 2014 at 9:29 pm

    Parabéns pelo Mapa da Cachaça, muito bom esse site, cada vez que entro aprendo mais.!!!É por isso que aprecio minha Cachacinha rsrsrs…

    • Mapa da Cachaça
      junho 11, 2014 at 4:01 pm

      Valeu, Carlos! Visita a gente que sempre teremos novidades. abração

  • Marcos João V.M.Pontes
    novembro 8, 2015 at 9:12 pm

    Gostaria de saber mais informações sobre como participar do mapa da cachaça.

  • Álvaro
    novembro 25, 2017 at 12:48 pm

    Parabéns Felipe, estamos aguardando o novo artigo sobre as amarelinhas.

Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: