Artigos

Embaixadores da Cachaça: unidos por uma bebida alcoólica respeitável!

Print Friendly, PDF & Email

Como aqueles que já gostam de Cachaça podem ajudar a divulgá-la? Renato Figueiredo discute algumas das questões.

Muita gente que já está embarcada na valorização da Cachaça acredita que com quanto mais dos “novos consumidores” falarmos, melhor. É claro que precisamos disto, mas não é só com eles que precisamos nos preocupar. Quem já gosta de Cachaça pode estar junto de nós nesta valorização. Eles é que serão nossos verdadeiros “embaixadores” e disseminadores da ideia de que Cachaça também pode ser uma bebida alcoólica respeitável. Esse texto se preocupa com eles: com quem já gosta de Cachaça e pode ajudar em sua divulgação. Vamos falar de alguns assuntos que podem gerar uma sadia polêmica e que urgem por serem discutidos. Vamos a eles.

Caipirinha com cachaça! - a bebida alcoólica tipicamente brasileira

Caipirinha

Nosso primeiro exemplo é unânime, todos sabem: a caipirinha (verdadeira, a legítima) é o grande “canal” para se valorizar o consumo da Cachaça de qualidade no Brasil. No entanto, ainda temos alguns obstáculos: o maior deles é a utilização de bebidas alcoólicas de inferior qualidade sensorial na sua preparação. O segundo é o fato de que alguns “entendidos” torcem o nariz para a “caipirinha” de outras frutas, que não o limão. Tá, ok, a “caipirinha” original, autêntica, é feita com limão e açúcar. Mas não há problema nenhum – aliás, Cachaça e Brasil só ganham com isto – com a mistura com outras frutas.

Nesta semana, estive num bar/balada novo no centro de São Paulo. Fiquei contente por ver Cachaça no cardápio, e algumas opções interessantes de artesanais. Também havia caipirinhas bastante criativas, com várias frutas e até misturas com pimenta. No entanto, os atendentes, se mostrando bastante “entendidos” da bebida, se recusaram a fazer caipirinha com uma das artesanais que eu sugeri (muito usada em outros bares e nenhuma “raridade”). Quase perfeito.

Drink Old Fashioned com Cachaça - a bebida alcoólica tipicamente brasileira

Novas formas de beber Cachaça

No mesmo bar que eu fui, os atendentes fizeram cara feia para meu pedido da Cachaça com gelo. Na minha humildade, tentei explicar a eles que aquela podia ser uma interessante forma de consumo da bebida (ainda mais numa balada), mas eles preferiram manter sua austera convicção e, como que de birra, exageraram no gelo. Creio que precisamos ser mais flexíveis com nossa bebida; é tarefa de quem gosta dela deixar que bebam como querem. Não obriguem ninguém a beber o que não quer, tampouco da maneira que não quer.

A cachaça alegra os tristes.

Melhora quem está doente,

Faz aleijado correr

E cego ver de repente

Cachaça e Embriaguez

Versos com bebedeira, músicas que aludem a embriaguez, fotos em livros bonitos mostrando pessoas bastante embriagadas: isto é muito comum quando se fala na valorização da Cachaça. O assunto vem naturalmente à tona quando o tema é a nossa bebida. Muitos especialistas e produtores, no entanto, negam a “bebedeira” – eu também não gosto. Alguns podem dizer que é um traço cultural. Sim, é. Mas assim como os rituais dionísicos estão para o vinho, eu preferiria deixar esta ligação da cachaça com a embriaguez para a história, e não para a atualidade da bebida.

Estas são apenas algumas das questões que podemos discutir. Não acredito que tenha que haver um consenso. Em comum, basta talvez o interesse em se valorizar a Cachaça. Mas creio que, estrategicamente, os pontos que coloco aqui sejam importantes pelo menos para um debate. Muitos dos seus apreciadores são hoje defensores ferrenhos de seu consumo tradicional da Cachaça, em shot, sem gelo e ao natural (sem ser gelada). Se for na caipirinha, indicam apenas a branca (de preferência industrializada), e com limão e açúcar. Adoçante, gelo, balada, cidade, jovem são palavras ou coisas que, portanto, se mantém afastadas. Na minha opinião, junto com o preconceito, isso é o que também afasta a bebida das melhores estantes, dos melhores valores, e do respeito que merece e da utilização que merece.

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]

Renato Figueiredo

Renato Figueiredo é um Cachaciador: aprecia a Cachaça de um jeito gourmet, brasileiro, e sem chatice desnecessária. É autor do livro "De Marvada a Bendita: A História, a Gastronomia e as Curiosidades da Cachaça, a Mais Brasileira das Bebidas", no qual fala sobre este novo olhar sobre a bebida brasileira. (Ed. Matrix, 120p - nas livrarias).

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

14 comentários

  1. OK Renato, vamos divulgar a boa cachaça e como sugestão, em vez de cacahça com gelo, experimente cachaça no congelador, de preferencia em uma garrafa de barro.|
    Fica uma delicia, licorosa ,cremosa e se for da boa uma aroma fabuloso.
    Alcool não congela , lembre disso.
    Experimente.
    Abraços

    Carlos

    • Ola Carlos, só para esclarecer, o termo licaroso serve para definir o teor alcoólico e não a densidade.
      Abraços

  2. Prezado Renato

    Sou apaixonado por cachaça, e luto pela sua valorização constantemente. Em contra partida fico triste em perceber que na maioria dos casos, as noticias da Internet banaliza nossa bebida …
    Podemos encontrar vários exemplos, onde “esposo agride companheira após ingerir cachaça”, “irmãos brigam em bar após consumir cachaça”. Acredito firmemente que em grande parte desses casos, as pessoas ingeriram bebidas alcoólicas nas suas diversas formas, porem a mídia faz questão em utilizar o termo “cachaça” sem perceber que estão prejudicando a imagem de um produto que é nosso.

    William Lucas

  3. Caro William
    Você toca num ponto muito interessante: realmente, a maior parte das notícias relacionadas à “cachaça” estão ligadas à violência, acidentes, etc. É uma pena. Como falo em meu livro, o assunto Cachaça e Alcoolismo é amplo e delicado; mas já era hora da mídia dar à caninha a atenção – e o respeito – que merece.

    Forte Abraço e obrigado pelo comentário.
    Renato

  4. Renato!

    Muito bom!

    Eu mesmo era um “limão nazi”, achava que caipirinha deveria ser feita apenas com limão. Depois que comecei a experimentar outras frutas e principalmente ver que as outras pessoas gostam, mudei completamente de idéia!

    Concordo com o Carlos, também prefiro cachaça repousada no congelador, aliás, minha geladeira tem mais cachaça do que comida!

    Abraços!

    Cássio
    Blumenau/SC

    • Muito bacana, Cassio! Que bom que sua experiência com outras frutas te fez mudar de ideia!
      Ah, sim, a Cachaça no congelador é mais uma de suas grandes virtudes!
      Abraço!
      Renato.

  5. Caro Renato,

    Para não passar em branco e colaborar, pois acho o artigo interessante e importante, de fato..

    Na condição de produtor / proprietário sempre serei conservador nos métodos de produção , envelhecimento, etc…. Mas já na hora de beber, posso citar meu proprio exemplo como forma de ajudar nessa batalha contra o preconceito no uso da cachaça. Eu costumo, tomar as Sapucaias, desde a tradicional 5 anos até a real 18 anos sempre com uma ou duas pedras de gelo e acho excelente.

    Gosto muito de caipirinha com as cachaças brancas, mas acho que com as envelhecidas ficam mais saborosas ainda… minha opinião. Evidente que aqui tem muito do meu gosto pessoal, porque muito do que produzimos é envelhecido, mas sei que , nos bares ainda existem pessoas que já conhecem um pouco de cachaça mas que ainda não acham tão natural o consumo nestes formatos…

    Temos que deixar que as pessoas experimentem de forma mais liberal para que cada um de fato forme sua opinião.. Isso é de fundamental importancia para o mercado evoluir.

    Grande Abraço!

  6. podes tomar cahaça gelada??? me falaram que faz mal pode conhar o sangue!!!!diz que o bom é tomar ele natural quente pois é uma bebida quente grato!!!

  7. Gostaria de saber se a cachaça na geladeira faz mal. Um entendedor de cachaça me falou que ela na geladeira forma uns cristais que fariam mal à saúde. É verdade?

    Obrigado, George