Amburana.com, loja da cachaça de alambique

Artigos

As Diferenças entre Rum e Cachaça

Print Friendly

Apesar de terem o mesmo DNA da cana-de-açúcar, o rum e a cachaça são destilados com diferenças na produção, nas suas origens e também nas suas propriedades sensoriais.

Foto de Cana de Açucar

A cachaça e o rum têm a mesma matéria-prima: a cana-de-açúcar. Mas a brasileira cachaça e o caribenho rum  não são a mesma coisa. Aqui no Mapa da Cachaça, explicamos as diferenças.

Cachaça é brasileira:

O nome cachaça está protegido por lei e a sua produção está restrita ao Brasil. De acordo com a legislação brasileira, o Decreto 6871/2009, art. 53, define a cachaça como:

Cachaça é a denominação típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no Brasil, com graduação alcoólica de trinta e oito a quarenta e oito por cento em volume, a vinte graus Celsius, obtida pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar com características sensoriais peculiares, podendo ser adicionada de açúcares até seis gramas por litro.

Rum é do melaço:

A principal diferença no processo de produção entre os dois destilados, é que o rum é feito com o caldo cozido da cana, o melaço, um subproduto do processo de produção do açúcar. Já a cachaça, historicamente, sempre foi feita com o suco fresco, que a gente chama de garapa. De acordo com o professor Patterson Patricio de Souza, da Universidade Federal de Minas Gerais, essa diferença no processo resulta em uma composição química própria, que diferencia os destilados e traz distintas propriedades sensoriais. Patricio explica que ao cozinhar o caldo da cana, as substâncias presentes no produto, como os ésteres, os aldeídos e o álcool superior são alterados, modificando o sabor final da bebida.

No entanto, pelo Caribe, em países de colonização francesa, como Guadalupe, Martinica e Haiti, há um tipo especial de rum chamado Rhum Agricole que é feito a partir do caldo de cana espremido na hora. A versão caribenha, apesar de também ter como materia prima a garapa, apresenta diferenças importantes em relação à cachaça, como o teor alcoólico que pode chegar até 70% em algumas regiões.

Piratas levando rum

Rum tem maior graduação alcoólica:

Como vimos na nossa legislação, a cachaça pode ter graduação alcoólica entre 38% a 48%. Já o rum pode passar desses limites. Mais uma vez, vamos recorrer ao Decreto 6871/2009, agora apontando o artigo 54 que define o rum.

Rum, rhum ou ron é a bebida com graduação alcoólica de trinta e cinco a cinqüenta e quatro por cento em volume, a vinte graus Celsius, obtida do destilado alcoólico simples de melaço, ou da mistura dos destilados de caldo de cana-de-açúcar e de melaço, envelhecidos total ou parcialmente, em recipiente de carvalho ou madeira equivalente, conservando suas características sensoriais peculiares

 

O carvalho e as outras madeiras:

Tanto a cachaça como o rum podem ser consumidos na sua versão branquinha, ou seja, aquela que não passa por madeira. No entanto, as duas bebidas têm no mercado as suas versões armazenadas ou envelhecidas em barris de madeira. E aí está um dos grandes potenciais da cachaça!

A cachaça é das poucas bebidas alcoólicas que não envelhecem apenas em carvalho. Madeiras nacionais como umburana, jequitibá, ipê, tapinhoã, bálsamo e várias outras são utilizadas para o envelhecimento ou armazenamento da bebida. Cada madeira concede uma cor, um aroma e um sabor característico. O potencial gastronômico dessa particularidade é imenso: imaginem as possibilidades de harmonização da bebida com ingredientes e pratos da cozinha brasileira!

Para entender mais sobre as particularidades de cada madeira, realizamos aqui alguns estudos, entre eles o que chamamos de Laboratório Mapa da Cachaça:

 

As origens:

De acordo com pesquisador Wayne Curtis, autor do livro And a Bottle of Rum: A History of the New World in Ten Cocktails, o rum surgiu no começo do século XVII nas colônias britânicas do Caribe, provavelmente em Barbados. O rum teria originado  dos subprodutos da indústria do açúcar, antes considerados lixos indesejados e muitas vezes descartados no mar.

Há indícios de produção de aguardente de cana-de-açúcar num processo parecido com a fabricação do rum pelo holandeses que colonizaram o Brasil nas primeiras décadas do século XVII. Mas com a expulsão dos holandeses de Recife pelos portugueses, eles levaram a cana e os equipamentos de destilação para o Caribe. Inclusive, esse pode ser o motivo do rum ter se tornando mundialmente mais famoso do que a cachaça brasileira, considerando que os holandeses eram ótimos comerciantes e tinha a estrutura da Companhia das Índias Ocidentais para levar a produção caribenha para a Europa.

Os historiadores, entre eles Câmera Cascudo, dizem que a primeira cachaça foi destilada por volta de 1532 em São Vicente, onde surgiram os primeiros engenhos de açúcar no Brasil. Há algumas versões sobre a sua origem, uma delas conta que o destilado teria surgido quando um escravo, que trabalhava no engenho, experimentou a “cagaça” – um caldo esverdeado e escuro que se forma durante a fervura do caldo da cana. O processo de destilação da “cagaça” acabou dando origem à cachaça. No entanto, acreditamos que os portugueses praticavam a fermentação e destilação da garapa utilizando-se de técnicas que aprenderam com os árabes em outras colonias como na Ilha da Madeira.

Amburana.com, loja da cachaça de alambique
Rotulos de Cachaça
Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

Somos uma referência cultural, histórica e sensorial sobre cachaça. Gosta de cachaça boa? Então siga o Mapa da Cachaça.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

15 comentários

  1. A legislação brasileira trás esta definição para o rum. No entanto ela está errada. O rum, nome da bebida típica e exclusiva produzida em Cuba, é composto pela mistura de água, etanol 96% e aguardente, sendo estes dois últimos obtidos da destilação do mosto fermentado de cana, igual a cachaça brasileira. O que confere um padrão químico, praticamente homogêneo para esta bebida, é que antes da mistura “blend”, o alcool e a cachaça são ansalisados quimicamente. Discordo quando se afirma acima que a destilação do melaço leva a uma composição química diferente

  2. Importante salientar que existe um tipo de rum chamado “rhum agricole”, oriundo sobretudo da região da Martinica que é exatamente a nossa cachaça: é feito a partir da destilação do mosto fermentado do caldo de cana. Entre outras diferenças, é quase que em sua totalidade produzido na França, para onde os caldos de cana martinicos seguem em barris de carvalho europeu, única madeira usada em seu envelhecimento.

  3. Gostaria que dessem uma olhada no seguinte link. http://www.varelahermanos.com/en/productos/ron_abuelo.html
    Chamo atenção ao fato do produtor do rum em questão deixar claro que produz a partir de caldo de cana e não de melaço. Chamo atenção à graduação alcoólica ser mais baixa que a da cachaça (35%) e chamo atenção ao fato de ser destilada em coluna. O Rum em questão é do Panamá.
    Atenciosamente: Thiago Pires.

    • Caro Thiago,

      hoje em dia vale tudo. Nada é controlável. A química resolve tudo.
      Sabia que os franceses vão ao Brasil comprar cachaça levam-na para França, envelhecem-na e vendem como conhaque ?
      Sabia que o vodka tem origem no cereal centeio e que hoje se faz vodka de batata ? E mais ainda. Apareceu agora na Europa vodka em França feito de uvas ?
      Na África do Sul há quem faça vinho do Porto ….
      Em Cabo Verde faz-se um destilado derivado da fermentação do caldo da cana, chama-se grogue.
      Na Ilha da Madeira faz-se também da mesma maneira, o que se chama “aguardente de cana”
      Cachaça é cachaça e faz-se no Brasil.
      O rum vem do melaço na sequência do processo de fabrioco do açucar, e é assim que deve ser interpretado.
      Mas por enquanto a liberdade é completa. Cada um chama-lhe o que quer.
      De onde vem o nome rum ?
      Porque é que a palavra cachaça no Brasil só apareceu no sec. XVIII ?

      • Na verdade, não existe conhaque. Pelo Regulamento 110/2006 da União Europeia, a Indicação Geográfica da aguardente vínica Cognac pertencente à França só poderá ser produzida com produtos da região, no caso, a região de Cognac. Qualquer produto que utilize o nome Cognac e não provenha da região geográfica delimitada, não pode ter o nome, podendo sofrer sanções diante do ADPIC.

        A expressão Conhaque também não é adequada a ser utilizada por ferir o mesmo acordo internacional.

        Pelo mesmo regulamento europeu, a vodka não precisa ser necessariamente feita de batata, mas também de cereais ou outros produtos agrícolas (Ponto 15, do Anexo II, do RE UE n. 110/2006).

        E não, pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual e acordos internacional, não se tem liberdade total na nomenclatura de uma bebida alcoólica. Pelo contrário, a defesa de tais produtos é tamanha diante da influência de países como a França e Portugal.

        Por incrível que pareça existem muitas legislações acerca do tema e litígios envolvendo a usurpação dos nomes de bebidas alcoólicas sim.

  4. Pingback: Tour do Rum Mount Gay em Barbados, Caribe - Viagem pelo Mundo

  5. Caros amigos,

    pela primeira vez vejo bem dfinido o rum e a sua origem. Como costumo dizer produziu-se primeiro cachaça do que rum, sempre se produziu mais cachaça do que rum, porque é que o rum é mais conhecido que a cachaça ?
    Por culpa dos reis de Portugal e depois por culpa dos brasileiros.
    O rum era cotado na bolsa de mercadorias de Amesterdão no sec. XVIII ( Fernand Braudel ) , já que , como se diz na vossa matéria a Companhia das Indias intertessada no comércio, colocava o rum na Europa.
    Como portugal produzia vinho e aguardente de vinho nunca deixou a cachaça sair do Brasil ….
    Ainda hoje na Pauta Aduaneira mais utilizada no mundo, o rum tem um código próprion e a cachaça está no código “outras bebidas desiladas “

  6. Cachaça deve realmente ter seu nome originado de “cagaça”. Porém, já li um estudo sobre a origem da cachaça que destoa um pouco do acima narrado: Os negros trabalhavam em porões fechados, para fazer a fervura do melaço. Dizem que os vapores dessa fervura, ao entrar em contato com o teto dos porões, condensava-se, deixando pingar um líquido transparente de alto teor alcoólico – que os negros lambiam com prazer. Daí teria vindo o termo “Pinga”. E daí, por observação, a prática de destilar-se o produto.

  7. Parabéns bebo cachaça com orgulho, pois o seu significado não é apenas de uma bebida destilada que teve sua origem no Brasil, mais do que isso tem suas matizes na música, na cultura popular, na História do Brasil.
    Franco Kassiano