bar-candeeiro-ambiente

O Candeeiro Bar é o sonho que se realiza para o bartender Laércio Zulu, que traz para o público aquela ginga e valorização dos sabores e aromas brasileiros

O bartender Laércio Zulu é aquele tipo de gente que leva no sangue as raízes brasileiras. Povo criativo, trabalhador, que se desdobra em muitos para se emendar em algo maior. Assim ele o é, sendo consultor, chefe de bar, apresentador de um canal no Youtube, pai e agora sócio de um projeto que era um sonho pessoal: o Candeeiro Bar.

Localizado em uma simpática casa que traz na vista memórias de um bar pé na areia, na rua Doutor Melo Alves, o Candeeiro traz essa brisa do que há de melhor no Brasil. Inspirado na literatura de cordel e nos aromas e cores do Nordeste, o bar é fruto da sociedade entre Zulu e o empresário Milton Freitas, do Antonietta.

O nome inicial, sugestão de Zulu, era para ser Umbuzeiro – árvore resistente símbolo do nordeste que produz umbu, mas Freitas pensou em Candeeiro, que inclusive este nome já estava no radar fazia um tempo.

“Quando ele falou o nome Candeeiro, eu topei na hora, que é um nome que tem muito haver com a minha bagagem, com minha história, inclusive ajudava meu pai fazer candeeiro lá na roça”, pontua Zulu, que relembra as memórias de quando morava no interior da Bahia.

Para conhecimento, candeeiro é uma espécie de lampião feito artesanalmente muito comum em áreas mais afastadas, onde não tem luz elétrica disponível.
Com a intenção de construir a força da brasilidade raiz, toda o cardápio é baseado em coisas simples, gostosas e nacionais. A carta tem 70% dos coquetéis feitos com cachaça, como a ‘Maria Bonita’, que é feito com cachaça Tiê Prata, óleo essencial de laranja, purê de abacaxi e cozido de maracujá com casca de cajueiro, ou o ‘Xequerê’ feito com cachaça branca, cozido de maracujá com coco seco e pimenta, espumante e mel.
Xequere_Candeeiro.
O Xequerê é um dos coquetéis servidos no Candeeiro Bar (crédito: Fernando Ctenas)

O já afamado ‘Banzeiro’, criação que acompanha Zulu, também se encontra na carta com o seu gosto inconfundível de cachaça envelhecida em amburana, limão, xarope demerara, toque de vinho e espuma gengibre.

“A cachaça é a estrela da carta, que tem ali também um pouquinho de rum, tequila e três marcas nacionais de gin, apenas. O Candeeiro tem essa pegada de bar brasileiro, com uma resistência da cachaça, e as pessoas tão entendendo e a identidade está se construindo”, relata Zulu.

No cardápio, os petiscos e pratos principais se baseiam na culinária brasileira, como o tradicional acarajé, feijoada e as moquecas de camarão e de palmito e banana da terra. Para sobremesa não poderia faltar aquele pudim de tapioca cremoso.

Para ressaltar ainda mais a nossa cultura, todo domingo, a partir das 17h, o bartender promove o ‘Boca da Noite’, que é uma programação onde grupos artísticos apresentam manifestações culturais de raízes africanas, como Tambor de Crioula.

Banzeiro_Candeeiro
O Banzeiro é um dos coquetéis que acompanham a carreira do Zulu (crédito: Fernando Ctenas)

SOBRE LAÉRCIO ZULU

Nascido no interior da Bahia, Laércio Silva (nome de batismo) começou a paquerar com a coquetelaria quando fez um bico em uma pousada em Taipu, no Rio Grande do Norte. Um belo dia um cliente falou que ele tinha pinta bartender e foi um estalo.

Zulu veio com mala e cuia para São Paulo, por volta dos anos de 2008, onde começou a fazer cursos. Começou a trabalhar em alguns bares, mas foi no Madeleine, um bar na Vila Madalena, que realmente começou a engrenar a carreira.

De lá para cá já passou por algumas casas de renome da coquetelaria paulistana e foi gestor por três anos do Grupo São Bento Gastronomia, além de consultorias para casas como Complexo Gastronômico Vista Ibirapuera, Tatá Sushi, Bar do Leo, Yang e Raiz bar.

Foi um dos primeiros no Brasil a desenvolver o próprio Bitter, o Zulu Bitter e com o conhecimento de plantas, frutas, raízes que adquiriu na juventude no sertão da Bahia, ampliou sua pesquisa Brasil afora e descobriu muitos sabores.

Esse conhecimento e a defesa da brasilidade na coquetelaria renderam a Zulu em 2014 o World Class da Diageo Brasil e palestras em eventos importantes do ramo, como Bar Convent Berlin e London Cocktail Week.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
dorna de amburana

Dorna de amburana para envelhecer cachaça

Já pensou em ter sua própria dorna para envelhecer cachaça? Nós fizemos uma seleção dos melhores barris e dornas de amburana para você começar seus experimentos em casa com bebidas  fermentadas e destiladas.

Comprar
barril de balsamo

Barril de bálsamo para envelhecer cachaça

Compre barril de bálsamo para envelhecer bebidas e agregar novas cores, aromas e sabores ao seu destilado (cachaça, rum, uísque), cerveja ou coquetel.

Comprar
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeiras 1kg – Tosta Média

Um quilo de dadinhos de madeiras com tosta média para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário