Cemitério - Crônicas e Contos - A Morte do Cabo

Há vinte e cinco anos na corporação, Quirino se encontrava, por decisão própria, afastado do serviço.  Não envergava mais a farda militar e ausentara-se, havia muito, do quartel. Os superiores fizeram vista grossa esperando que ele se recuperasse da depressão.

Alcoólatra inveterado, já se encontrava na fase de dormir em porta de boteco, com o pandú cheio de maldita cachaça. A família o afastou de casa, pois era problemático e um tremendo pega mal.

Há tempos não trocava a roupa. Vestia os farrapos sujos. Os conhecidos quando o encontravam caído na sarjeta, o apanhavam e o colocavam debaixo de alguma marquise, para que ficasse protegido das intempéries.

Como a esposa recebia o seu soldo, não lhe repassando coisa alguma, não mais pagava as doses de pinga que tomava. Havia perdido o controle de tudo, e a família cansada de procurar socorro pra ele.

Amanheceu esticado na porta de um bar. Ao ser chamado, não respondeu. Levaram-no ao Pronto Socorro e, dado a sua gravidade, foi transferido para hospital militar na Capital.

Acometido de delírio alcoólico, informou ao médico que o atendera que há dias não dormia. Tudo fruto da sua imaginação.  Recebeu medicação soporífica e apagou. Três dias após, com o entra e sai de plantonistas e residentes, uma enfermeira estranhou o fato da sua constante imobilidade. Solicitou uma verificação médica e recebeu como resposta que o paciente havia falecido.

A unidade militar de origem enviou uma viatura com a sua família para o enterro. Quirino vestido de terno barato, deitado em cima de uma pedra de mármore na capela. Como estava cataléptico, permanecera ativa a sua audição tendo passado a noite a escutar os dois recrutas que o velavam, a jogar palitinhos, bem perto dos seus ouvidos – lona… Dois!…Três do jeito que você vier!… Canta otário!… Marraia! Uma latomia.

Como permanecia vivo e, sendo Junho, estava já a morrer, isto sim, de frio. As suas costelas geladas pelo contato com o mármore… O seu corpo duro. Nada mais se movia.

Já pela manhã, a família chegou ao maior chororó, E ele escutando tudo!

Instalou-se o desespero! Rezou a Virgem Maria pedindo dar-lhe a voz, para avisar a todos da sua condição de vivo.

O sargento encarregado do enterro por telefone solicitou uma Kombi para conduzir o finado ao cemitério. Chegando a viatura, dirigida por um soldado ressacado, o superior, ao vistoriar o veículo, notou um pneu já murcho, e mandou fazer a troca. Foi informado que não tinha estepe.

Deu uma dura, no condutor, mandou-o retornar ao depósito e providenciar a troca urgente, assim como arranjar um sobressalente. Esta demora na logística salvou a vida de Quirino! Pelejou para gritar, mas os seus lábios não se moviam. Seria enterrado vivo! Jurou a Deus que, se retornasse, seria um cidadão exemplar, um missionário da palavra. Era a sua última chance o atraso da viatura.

Após dezenas de tentativas, conseguiu falar baixinho! – Fia… (apelido intimo da sua esposa), O silêncio que se segui foi sepulcral! Ninguém acreditou no ocorrido. Prestaram, entretanto atenção à sua boca. Ele sentiu o clima e tentou mais forte: FIA… Foi uma corredeira geral. Não ficou ninguém!

No Jardim do hospital, o sargento vinha em direção à capela, e vendo o estapafúrdio, imobilizou um fujão, quando obteve a informação que a alma do cabo morto os perseguia! Como era destemido, o militar, partiu para o confronto com o “de cujus”.

O mesmo, amarelo, gélido, cambaleante, escorando-se na parede, com a calça do terno pega-franga, entrou na enfermaria ortopédica, em busca de uma manta de lã, para se aquecer. Os que lá estavam internos, vendo o morto, arrancaram o soro e deram no pé. Muitos desses aguardavam o laudo para se aposentar por invalidez. Foi um alívio para os bolsos do então INPS.

Conforme prometera, Quirino iniciou a vida de pregador, sendo visto sempre nas esquinas e portas de bar, contando a sua história de cachaçadas. Como exemplo aos bebuns, que a tudo escutavam em desalento, pois só entenderiam se passassem pelo coador, que ele passou!

 

 

foto Creative Commons: Eduardo Loureiro

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeiras 1kg – Tosta Média

Um quilo de dadinhos de madeiras com tosta média para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
dorna de amburana

Dorna de amburana para envelhecer cachaça

Já pensou em ter sua própria dorna para envelhecer cachaça? Nós fizemos uma seleção dos melhores barris e dornas de amburana para você começar seus experimentos em casa com bebidas  fermentadas e destiladas.

Comprar
Dorna de Bálsamo

Dorna de bálsamo para envelhecer cachaça

Quer envelhecer sua própria cachaça, cerveja ou coquetel? Temos a dorna de bálsamo que você precisa para começar seus experimentos.

Comprar
  • Jose Pinheiro
    outubro 11, 2011 at 11:55 pm

    Parabéns, ri muito aqui, kkkkk…. Estarei lançando em breve meu livro “Confissões de Bêbados, também recheado de contos / crônicas dos micos do dia a adia dos cachaceiros, historias hilárias e verídicas. Espero poder divulgar aqui com vocês.
    Forte abraço

Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: