Noitada com a Bebida Nacional

Foi preciso quase um ano de pesquisa para que o compositor Alessandro Côrrea pudesse criar as músicas do CD Bebida Nacional. A ideia era fazer uma trilha sonora da bebida que mostrasse um pouquinho da cultura de cada região em que ela é produzida: da viola caipira às milongas gaúchas. Com concepção do Mapa da Cachaça, com o apoio do Ministério da Cultura e da Lei Rouanet, o CD Bebida Nacional vem para reforçar ainda mais a tradição cultural da Cachaça e pode ser ouvido na íntegra aqui no nosso site.

Como surgiu a ideia do CD Bebida Nacional?

Quem idealizou o projeto foi o Eduardo Martins, membro do Mapa da Cachaça e produtor de cachaça artesanal. Ele me propôs fazermos uma pesquisa sobre cachaça e música, no intuito de criar um CD instrumental que funcionasse como uma trilha sonora da bebida. A pesquisa começou a partir de um mapeamento que ele me passou, incluindo as principais regiões produtoras.

E o processo de composição? Você já tinha trabalhado com todos esses ritmos?

Eu sempre trabalhei com gêneros brasileiros, em outros CDs que gravei. Então, com esse conhecimento prévio, tive a ideia de associar a bebida aos diversos gêneros provenientes das regiões produtoras de cachaça, além das festividades existentes nessas regiões. Mas com o aprofundamento da pesquisa, acabei compondo também algo inusitado, como a Travessia dos Gerais, uma espécie de prelúdio em homenagem à viola caipira e ao Guimarães Rosa (até reli o Grande Sertão: Veredas, durante o processo composicional).

Qual foi o ritmo mais difícil de compor?

Acho que o processo de criação das músicas fluiu tão bem que, sinceramente, não teve nada que foi mais ou menos difícil… A fase de pré-produção do disco, com uma pesquisa de quase um ano, foi fundamental para que a fase de composição fosse mais tranquila.

Quem são os músicos que trabalharam contigo na produção do CD Bebida Nacional?

Além de mim, no violão, participaram do disco os seguintes músicos: Hamilton Pinheiro (baixo elétrico), Roberto Corrêa (viola), Junior Ferreira (sanfona), Fernando Cesar (violão 7 cordas), Felix Alonso (clarineta), Rafael dos Santos (bateria e percussão), Pedro Vasconcellos (cavaquinho), Pablo Fagundes (gaita) e Ademir Junior (sax soprano).

Como você acha que o CD pode ajudar a divulgar a cultura brasileira?

Bem, tendo em vista que a cachaça é certamente a bebida típica do Brasil e sua importância pode ser comprovada através da história do nosso país, que possui inclusive alambiques centenários (vale a pena ler o Prelúdio da Cachaça, de Luís da Câmara Cascudo), o CD BEBIDA NACIONAL veio para reforçar ainda mais essa tradição cultural da cachaça.

O CD BEBIDA NACIONAL é uma trilha sonora da cachaça, inspirada na expressão da bebida nas regiões brasileiras e em sua relação com os gêneros musicais do nosso país. Outro fator determinante para esse link são as inúmeras festividades brasileiras que misturam a música e a cachaça, como o carnaval, a folia de reis, a festa junina, entre outras. Pernambuco, por exemplo, é um importante local produtor de cachaça e o carnaval pernambucano é regado a frevo e bicadinha (apelido da cachaça em Pernambuco).

Algumas músicas levam como título sinônimos de cachaça. O que te inspirou a definir esses nomes?

O Eduardo Martins me mostrou o Dicionário de Sinônimos de Cachaça e Algumas Designações para Bebidas Alcoólicas, de Jesus Barros Boquady, livro que detalha milhares e milhares de sinônimos da cachaça, informando a região proveniente de cada sinônimo. Com esse livro eu estava com a faca e o queijo na mão (ou melhor, o copo e a pinga na mão)…

Quais são seus outros trabalhos musicais?

Além do CD Bebida Nacional, já participei de outros quatro discos: Sinfonia da Alvorada (2012) – grupo Takto (participação como compositor). The Musical Hub from the Heart of the Brazil (2011) – compilação produzida para a Womex/Dinamarca (participação como compositor). Dois Banquinhos, Dois Violões (2010) – grupo Projeto Partido Alto – homenagem ao cinquentenário da Bossa Nova (participação como compositor e instrumentista). Entre Latinoamerica (2009) – duo de violão e clarineta (Entre Duo) – homenagem à música da América Latina (participação como compositor e instrumentista).

Você gosta de cachaça? Quais são as suas preferidas?

Gosto muito de cachaças artesanais. Entre as minhas preferidas estão a Encantos da Marquesa (safra 2010, branca). Recentemente experimentei a edição de aniversário da Weber Haus, envelhecida em carvalho, que é excelente, melhor do que uísque, mas acho que compartilho o gosto do bebedor mais tradicional: prefiro a cachaça branca e pura, pois me parece mais verdadeira, sinto mais o sabor da cana de açúcar…

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
dorna de amburana

Dorna de amburana para envelhecer cachaça

Já pensou em ter sua própria dorna para envelhecer cachaça? Nós fizemos uma seleção dos melhores barris e dornas de amburana para você começar seus experimentos em casa com bebidas  fermentadas e destiladas.

Comprar
barril de balsamo

Barril de bálsamo para envelhecer cachaça

Compre barril de bálsamo para envelhecer bebidas e agregar novas cores, aromas e sabores ao seu destilado (cachaça, rum, uísque), cerveja ou coquetel.

Comprar
Dorna de Bálsamo

Dorna de bálsamo para envelhecer cachaça

Quer envelhecer sua própria cachaça, cerveja ou coquetel? Temos a dorna de bálsamo que você precisa para começar seus experimentos.

Comprar
Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: