Uma produção sustentável de cachaça não é apenas economicamente eficiente, mas também ecologicamente prudente e socialmente desejável.

Além da qualidade da bebida, os consumidores começaram a se preocupar também com os impactos da produção de cachaça no meio ambiente. A procedência passa a ser um valor importante e é mais um atrativo para consumidores ecologicamente conscientes que buscam cada vez mais cachaças orgânicas e valorizar uma produção sustentável.

As Cachaças Orgânicas

As marcas de cachaça orgânica têm se destacado no mercado pela produção sustentável, qualidade da bebida e pelo compromisso com o meio ambiente. Elas podem ser identificadas por selos de produto orgânico colados ou impressos no rótulo da cachaça, sendo o mais comum aquele certificado pelo IBD (Associação de Certificação Instituto Biodinâmico). Adquira rótulos desse tipo para incentivar a produção sustentável e sem o uso de agrotóxicos.

selo organico

Buscando um diferencial em relação às outras marcas, uma melhora na qualidade do líquido e até uma valorização do seu valor no mercado, os produtores das cachaças orgânicas estão tomando medidas que reduzem o impacto da produção do destilado no meio ambiente. A seguir, algumas das principais práticas:

  • Plantar a cana em áreas previamente desflorestadas, sem desmatar novos espaços.
  • Cortar a cana sem queima para limpar as folhas. Infelizmente, essa é uma prática comum na agricultura que traz como consequência a emissão de gases poluentes e a esterilização do solo.
  • Reutilizar a água usada para irrigar a plantação de cana-de-açúcar e resfriar os vapores do vinho de cana durante a destilação. Alguns alambiques chegam a reaproveitar 90% de toda a água utilizada.
  • Evitar o uso de veículos motorizados no corte e no transporte da cana-de- açúcar. A queima de combustível pode afetar a qualidade da cana, além de poluir a atmosfera.
Carro de boi
Uso de carro de boi para o transporte de cana na produção da cachaça orgânica
  • Controlar as pragas da cana-de-açúcar de forma biológica, com a liberação de predadores naturais, como as vespas Cotesia flavipes, para combater a broca (larva da mariposa noturna chamada Diatraea saccharalis). Alguns produtores usam também o nim (Azadirachta indica), planta indiana usada como inseticida natural (de modo geral, os produtores de cachaças orgânicas não utilizam pesticidas no canavial).
  • Usar apenas ingredientes orgânicos no processo de produção – além da cana-de-açúcar, também milho, arroz ou outros nutrientes de levedura utilizados durante a fermentação.
  • Durante a fermentação, utilizar apenas ingredientes orgânicos como o suco de limão para corrigir a acidez do mosto. Algumas cachaças industrializadas usam ácido sintético e outros compostos químicos, que inviabilizam o selo de cachaça orgânica e ainda podem prejudicar a qualidade sensorial da bebida.
Produção sustentável
Cachaçaria Alfeires em Tiradentes, Minas Gerais utiliza gravidade para evitar o uso de bombas durante o processo de produção da cachaça
  • Construir a unidade de produção de modo que o líquido resultante das diferentes etapas seja transportado de uma fase para outra utilizando apenas a força da gravidade. Dessa forma, economiza-se também energia no uso de bombas elétricas.
  • Coletar a água da chuva e usá-la para diluir o caldo de cana a fim de diminuir o brix.
  • Aproveitar a energia solar para gerar eletricidade para a moenda e outros equipamentos da unidade de produção.
Energia Solar
Sanhaçu, pernambucana de Chã Grande, leva selo de cachaça orgânica e é um dos primeiros alambiques do país a utilizar placas solares para gerar energia
  • Reutilizar o bagaço remanescente da moagem para adubação do solo como alimento para caldeira no lugar de lenha e até mesmo para fazer caixas de papelão. As cinzas do bagaço usado na caldeira são ricas em minerais e podem ser usadas também para enriquecer o solo.
Rotulo da Cachaça Tabaroa
O grande diferencial do rótulo da Cachaça Tabaroa é o papel reciclado de bagaço de cana-de-açúcar. Na Fazenda Mundo Novo, em Bichinho, distrito de Tiradentes (MG), o produtor Alexandre Figueiredo produz o próprio papel para imprimir o rótulo, utilizando o bagaço da cana e um pouco de apara de papel. O designer responsável pelo rótulo é o carioca Marcos Mendonça.
  • Reaproveitar o vinhoto ou a vinhaça, líquido que sobra no alambique após a destilação, como adubo na plantação ou alimento para animais. Apesar de ser altamente poluente, depois de um tratamento adequado ele é rico em matéria orgânica e nutrientes.
  • Destilar a cabeça e a cauda, frações que não compõem a cachaça final engarrafada para consumo, em pequenas colunas de inox a fim de produzir álcool (combustível para veículos). Em vez de descartar essas frações, alguns produtores também as redestilam para produzir álcool potável para preparar aguardentes compostas e licores.
  • Utilizar madeiras com procedência, que não estejam ameaçadas de extinção, para criar novas barricas.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
  • Augusto
    maio 7, 2011 at 2:01 pm

    Tudo bem que o uso de veículos motorizados polui a atmosfera e pode afetar a qualidade da cana, mas transporte por carros de boi já complica muito eim! heueu

    Muito boa a matéria! Curti bastante!

    Abraços!

    • mapadacachaca
      maio 8, 2011 at 11:58 pm

      É um pouco radical mesmo… mas alguns produtores usam dessas práticas para a produção de uma cachaça de excelente qualidade. Um desafio: Vamos comparar depois para ver se influência realmente no sabor? abraços

  • KLicia
    maio 20, 2011 at 10:09 pm

    Adorei a materia, e concordo que o uso do carro de boi e complicado, porem se for pra melhorar cada vez mais a qualidade da cachaça e melhor ainda pra ajudar o meio ambiente isso é super valido. Afinal de contas nao dizem por ai, que o que e mais dificil ou mais complicado e mais gostoso? Pois no fim agente vai apreciar sabendo que fez a coisa certa para que o produto final saisse da melhor qualidade possivel.

    • mapadacachaca
      maio 20, 2011 at 10:33 pm

      Oi Klicia, é verdade… com cuidado e carinho fica muito mais gostoso mesmo! Fico feliz que tenha gostado da material. bjos

  • […] marcas de cachaça orgânica têm se destacado no mercado pela qualidade e pelo compromisso com o meio ambiente. Elas podem ser […]

  • […] últimos tempos ouvimos muitos produtores de cachaça afirmando que reaproveitam o vinhoto nas lavouras de cana-de-açúcar como adubo, ou na alimentação do gado. Mas afinal de contas, o que é o […]

Adicionar um comentário
%d blogueiros gostam disto: