Uma produção sustentável de cachaça não é apenas economicamente eficiente, mas também ecologicamente prudente e socialmente desejável.

Além da qualidade da bebida, os consumidores começaram a se preocupar também com os impactos da produção de cachaça no meio ambiente. A procedência passa a ser um valor importante e é mais um atrativo para consumidores ecologicamente conscientes que buscam cada vez mais cachaças orgânicas e valorizar uma produção sustentável.

As Cachaças Orgânicas

As marcas de cachaça orgânica têm se destacado no mercado pela produção sustentável, qualidade da bebida e pelo compromisso com o meio ambiente. Elas podem ser identificadas por selos de produto orgânico colados ou impressos no rótulo da cachaça, sendo o mais comum aquele certificado pelo IBD (Associação de Certificação Instituto Biodinâmico). Adquira rótulos desse tipo para incentivar a produção sustentável e sem o uso de agrotóxicos.

selo organico

Buscando um diferencial em relação às outras marcas, uma melhora na qualidade do líquido e até uma valorização do seu valor no mercado, os produtores das cachaças orgânicas estão tomando medidas que reduzem o impacto da produção do destilado no meio ambiente. A seguir, algumas das principais práticas:

  • Plantar a cana em áreas previamente desflorestadas, sem desmatar novos espaços.
  • Cortar a cana sem queima para limpar as folhas. Infelizmente, essa é uma prática comum na agricultura que traz como consequência a emissão de gases poluentes e a esterilização do solo.
  • Reutilizar a água usada para irrigar a plantação de cana-de-açúcar e resfriar os vapores do vinho de cana durante a destilação. Alguns alambiques chegam a reaproveitar 90% de toda a água utilizada.
  • Evitar o uso de veículos motorizados no corte e no transporte da cana-de- açúcar. A queima de combustível pode afetar a qualidade da cana, além de poluir a atmosfera.
Carro de boi
Uso de carro de boi para o transporte de cana na produção da cachaça orgânica
  • Controlar as pragas da cana-de-açúcar de forma biológica, com a liberação de predadores naturais, como as vespas Cotesia flavipes, para combater a broca (larva da mariposa noturna chamada Diatraea saccharalis). Alguns produtores usam também o nim (Azadirachta indica), planta indiana usada como inseticida natural (de modo geral, os produtores de cachaças orgânicas não utilizam pesticidas no canavial).
  • Usar apenas ingredientes orgânicos no processo de produção – além da cana-de-açúcar, também milho, arroz ou outros nutrientes de levedura utilizados durante a fermentação.
  • Durante a fermentação, utilizar apenas ingredientes orgânicos como o suco de limão para corrigir a acidez do mosto. Algumas cachaças industrializadas usam ácido sintético e outros compostos químicos, que inviabilizam o selo de cachaça orgânica e ainda podem prejudicar a qualidade sensorial da bebida.
Produção sustentável
Cachaçaria Alfeires em Tiradentes, Minas Gerais utiliza gravidade para evitar o uso de bombas durante o processo de produção da cachaça
  • Construir a unidade de produção de modo que o líquido resultante das diferentes etapas seja transportado de uma fase para outra utilizando apenas a força da gravidade. Dessa forma, economiza-se também energia no uso de bombas elétricas.
  • Coletar a água da chuva e usá-la para diluir o caldo de cana a fim de diminuir o brix.
  • Aproveitar a energia solar para gerar eletricidade para a moenda e outros equipamentos da unidade de produção.
Energia Solar
Sanhaçu, pernambucana de Chã Grande, leva selo de cachaça orgânica e é um dos primeiros alambiques do país a utilizar placas solares para gerar energia
  • Reutilizar o bagaço remanescente da moagem para adubação do solo como alimento para caldeira no lugar de lenha e até mesmo para fazer caixas de papelão. As cinzas do bagaço usado na caldeira são ricas em minerais e podem ser usadas também para enriquecer o solo.
Rotulo da Cachaça Tabaroa
O grande diferencial do rótulo da Cachaça Tabaroa é o papel reciclado de bagaço de cana-de-açúcar. Na Fazenda Mundo Novo, em Bichinho, distrito de Tiradentes (MG), o produtor Alexandre Figueiredo produz o próprio papel para imprimir o rótulo, utilizando o bagaço da cana e um pouco de apara de papel. O designer responsável pelo rótulo é o carioca Marcos Mendonça.
  • Reaproveitar o vinhoto ou a vinhaça, líquido que sobra no alambique após a destilação, como adubo na plantação ou alimento para animais. Apesar de ser altamente poluente, depois de um tratamento adequado ele é rico em matéria orgânica e nutrientes.
  • Destilar a cabeça e a cauda, frações que não compõem a cachaça final engarrafada para consumo, em pequenas colunas de inox a fim de produzir álcool (combustível para veículos). Em vez de descartar essas frações, alguns produtores também as redestilam para produzir álcool potável para preparar aguardentes compostas e licores.
  • Utilizar madeiras com procedência, que não estejam ameaçadas de extinção, para criar novas barricas.

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

O Mapa da Cachaça é uma premiada plataforma multimídia com o objetivo de compartilhar informações sobre a cultura, história, aromas e sabores do destilado brasileiro.

EVENTOS

Quem realizar eventos corporativos com degustação ou aulas para saber mais sobre cachaça. Entre em contato com nossos especialistas e te ajudaremos a realizar um evento memorável

TELEGRAM DA CACHAÇA

Entre para o Telegram do Mapa da Cachaça e receba ofertas exclusivas de destilados produzidos no Brasil, al´me de artigos, notícias e eventos do mercado de destilados.

PARCEIROS DO MAPA

O Mapa da Cachaça é a principal referência sobre cachaça. Seja um parceiro e nos ajude a construir nossa comunidade cachaceira e dê destaque aos seus produtos especiais.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
  • Augusto
    maio 7, 2011 at 2:01 pm

    Tudo bem que o uso de veículos motorizados polui a atmosfera e pode afetar a qualidade da cana, mas transporte por carros de boi já complica muito eim! heueu

    Muito boa a matéria! Curti bastante!

    Abraços!

    • mapadacachaca
      maio 8, 2011 at 11:58 pm

      É um pouco radical mesmo… mas alguns produtores usam dessas práticas para a produção de uma cachaça de excelente qualidade. Um desafio: Vamos comparar depois para ver se influência realmente no sabor? abraços

  • KLicia
    maio 20, 2011 at 10:09 pm

    Adorei a materia, e concordo que o uso do carro de boi e complicado, porem se for pra melhorar cada vez mais a qualidade da cachaça e melhor ainda pra ajudar o meio ambiente isso é super valido. Afinal de contas nao dizem por ai, que o que e mais dificil ou mais complicado e mais gostoso? Pois no fim agente vai apreciar sabendo que fez a coisa certa para que o produto final saisse da melhor qualidade possivel.

    • mapadacachaca
      maio 20, 2011 at 10:33 pm

      Oi Klicia, é verdade… com cuidado e carinho fica muito mais gostoso mesmo! Fico feliz que tenha gostado da material. bjos

  • […] marcas de cachaça orgânica têm se destacado no mercado pela qualidade e pelo compromisso com o meio ambiente. Elas podem ser […]

  • […] últimos tempos ouvimos muitos produtores de cachaça afirmando que reaproveitam o vinhoto nas lavouras de cana-de-açúcar como adubo, ou na alimentação do gado. Mas afinal de contas, o que é o […]

Adicionar um comentário