10 pontos que você precisa saber sobre a Portaria nº 339, aberta à Consulta Pública, que altera a Instrução Normativa da Cachaça (IN 13), o principal regulamento que estabelece os Padrões de Identidade e Qualidade da Cachaça

A Portaria nº 339, de 28 de junho de 2021, é um conjunto de novas regras criadas pelo governo para atualizar e reformular o principal referencial que estabelece os Padrões de Identidade e Qualidade da aguardente de cana e da Cachaça. Com as mudanças sugeridas na normativa da cachaça, a expectativa é modernizar as relações de produção do destilado que é símbolo do Brasil.

Assim, para entender melhor o que muda com a Portaria nº 339, publicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que está em período de Consulta Pública, é necessário primeiro falarmos sobre a Instrução Normativa nº 13, de 29 de junho de 2005. O prazo limite para as contribuições se encerra em 13 de setembro de 2021, o Dia da Cachaça. Veja como participar ao final deste artigo.

A IN 13 é uma norma administrativa, a principal que existe para o segmento. Ela fixa e estabelece a identidade e as características de qualidade da aguardente de cana e da Cachaça, comercializadas em todo o território nacional e destinadas à exportação. Na cadeia hierárquica, a IN 13 vem depois da Lei de Bebidas, nº 8.918, de 14 de julho de 1994 e do Decreto n° 6.871, de 4 de junho de 2009 que a regulamentou.

O que é a Portaria nº 339?

O setor da cachaça é extremamente dinâmico e a IN 13 já sofreu várias alterações desde que foi publicada há 16 anos. Dessa forma, produtores, entidades e governo defendem que ela seja modernizada para acompanhar os avanços do segmento de bebidas alcoólicas, garantindo competitividade com outros destilados; melhorar a fiscalização; e preservar a saúde do consumidor.

O processo começou em 2009, com o debate que culminou com a redução dos níveis de carbamato de etila, um composto potencialmente cancerígeno. Em 2018, o Instituto Brasileiro da Cachaça concluiu uma proposta de revisão da norma. No ano seguinte, os pontos foram discutidos e incluídos numa agenda regulatória do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, algo já comum na Anvisa.

A Portaria nº 339, submetida à consulta pública, é o resultado de uma série de encontros remotos da Câmara Setorial da Cachaça que ocorreram em 2020, mesmo com a pandemia. Os itens também passaram por análise de impacto regulatório. Uma avaliação prévia dos possíveis efeitos para os produtores, fiscalizadores e consumidores, que vão subsidiar a tomada de decisão. É a primeira vez que uma norma do setor passa pela AIR.

Leia a Portaria nº 339 na íntegra aqui

O que muda com a Portaria nº 339?

O diretor executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça, Carlos Lima, analisa que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) conseguiu apresentar uma proposta que contempla, de forma geral, as necessidades e anseios do setor. Práticas adotadas por outros destilados, como o tequila, o scotch whisky e o conhaque, serviram de inspiração para algumas das mudanças propostas pela Portaria nº 339.

“Ao mesmo tempo em que se quer dar agilidade e fazer com que a Cachaça consiga concorrer com outros destilados, não se quer engessar o setor ou descaracterizar a bebida que é uma Indicação Geográfica do Brasil. Olhando de maneira geral, nessa Consulta Pública em andamento, o Ministério da Agricultura conseguiu atingir esses aspectos. Estou muito feliz com o resultado”,

comenta Carlos Lima, diretor executivo do IBRAC

Entre os pontos alterados na nova norma, foram destacados o envelhecimento de cachaça com graduação alcoólica acima de 48%.  Do ponto de vista da fiscalização, a nova norma também aumenta a segurança jurídica indicando que o produto a ser fiscalizado é o que está pronto para o consumidor, seja nas garrafas ou a granel. E acaba com o conflito de legislação sobre o uso de água potável (clorada) na produção da aguardente de cana e da Cachaça.

Outras mudanças reconhecem práticas centenárias, como o uso do pé-de-cuba para a fermentação do caldo de cana-de-açúcar e o alambique de cobre na classificação do método de destilação.

A prática da chipagem, que usa lascas e pedaços de madeira para acelerar a transferência de extrativos da madeira, foi permitida, desde que não seja comunicada como envelhecimento. “Houve um cuidado muito grande do Ministério da Agricultura ao tratar do tema para que o consumidor não fosse induzido ao erro”, ressalta Lima.

As classificações dos tipos de cachaça, como Cachaça Premium, Extra Premium e Reserva Especial caíram no novo texto, mas não estão descartadas de reaparecerem em outra normativa que trate especificamente dos padrões de envelhecimento.

Compare a IN 13 com a Portaria 339

Compare alguns pontos atualizados nos Padrões de Identidade e Qualidade da aguardente de cana e da Cachaça, se a Portaria nº 339 for aprovada como está:

1. Normativa da Cachaça enxugada

Antes: A legislação brasileira possui ao menos 12 decretos, portarias e Instruções Normativas que regulamentam a produção e comercialização de aguardente de cana e Cachaça de diversas maneiras

Depois: Revoga a principal Instrução Normativa para fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade da aguardente de cana e Cachaça – a IN nº 13, de 29 de junho de 2005 -, além de outros quatro atos normativos relacionados à ela.

Atos normativos que caem com a aprovação da nova norma para produção de aguardente de cana e Cachaça.

IN nº 13, de 29 de junho de 2005 
Aprova o Regulamento Técnico para fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para aguardente de cana e para Cachaça;

IN nº 28, de 8 de agosto de 2014
Altera o limite de carbamato de etila para quantidade não superior a 210ug/l (duzentos e dez microgramas por litro);

IN nº 27, de 13 de setembro de 2012
Estabelece prazo de 9 (nove) anos para adequação e controle do contaminante carbamato de etila;

IN nº 27, de 15 de maio de 2008
Permite menção ao nome da Unidade da Federação ou da região em que a bebida foi elaborada, quando consistir em indicação geográfica registrada no INPI;

IN nº 58, de 19 de dezembro de 2007
Veda a adição de substâncias, permite uso de água potável, obriga uso da expressão “armazenada” e acrescenta padrão gráfico para rótulos.

2. Cachaça de alambique

Antes: Permite o uso de expressões relativas ao processo de destilação desde que não vinculadas à denominação da bebida. A classificação Cachaça de alambique não é regulamentada. O termo “alambique” sequer é citado na IN nº 13, embora bastante adotado por produtores como forma de se diferenciar no mercado.

Depois: O Governo reconhece e classifica a produção da Cachaça de alambique como prática cultural e tradicional, definindo o alambique de cobre como o equipamento de destilação por batelada, cujas partes que entram em contato com o mosto e vapores são constituídas na totalidade por cobre.

3. Envelhecimento

Antes: Não cita sobre a graduação alcoólica permitida para o embarrilamento, para fins de envelhecimento de cachaça, abrindo margens à interpretação da legislação e criando insegurança jurídica para os produtores de cachaça no caso de uma fiscalização.

Depois: Permite que a cachaça seja posta nos barris com graduação alcoólica superior aos 48% previstos no padrão de identidade e qualidade da bebida, garantindo processos de envelhecimento muito mais eficientes e aumentando a concorrência com outros destilados.

4. Rotulagem

Antes: Dispõe que devem ser obedecidas as normas estabelecidas pelo Regulamento da Lei nº 8.918, de 14 de julho de 1994, aprovado pelo Decreto nº 2.314, de 4 de setembro de 1997, e atos administrativos complementares, revogado pelo Decreto nº 6.871, de 2009.

Depois: Diz que a rotulagem deve estar de acordo com o estabelecido nos regulamentos técnicos específicos referentes à rotulagem de alimentos embalados, não indicando quais são. Sobre a denominação, deve ser impressa na seguinte ordem: Cachaça, seguida do processo de destilação, do processo de maturação e do teor de açúcar.

5. Cachaça armazenada

Antes: Obriga a declaração no rótulo da expressão “armazenada em (nome do recipiente e tipo de madeira)” para produtos armazenados em madeira com menos de um ano de maturação que não se enquadram nos critérios de envelhecimento.

Depois: Cria como denominação o termo “Aguardente de cana ou Cachaça armazenada” para bebidas armazenadas em recipientes de madeira, mas que não se enquadram nos critérios de envelhecimento. A grande diferença entre as duas normas está na redação do texto.

6. Fiscalização

Antes: Traz a palavra órgão fiscalizador uma única vez, para o controle de produtos considerados “Reserva Especial”. Não apresenta de maneira clara em que momento a fiscalização deve ocorrer em outros casos, abrindo margens à interpretação da legislação e criando insegurança jurídica.

Depois: Estipula que a análise de fiscalização, para verificação do atendimento ao Padrão de Identidade e Qualidade da aguardente de cana e a da Cachaça, será efetuada na bebida pronta para o consumo, na garrafa ou a granel destinada à comercialização.

7. Mudança no padrão da água

Antes: Define que a água usada para produção da aguardente de cana e da Cachaça, deve ser potável. O problema é que, de acordo com os padrões de potabilidade, a água potável contém cloro. Tal composto não é indicado na produção de destilados, pois se transforma em substâncias indesejáveis no produto final.

Depois: Corrige um conflito de legislação da IN nº13 colocando que a água utilizada no processo produtivo da aguardente de cana e da Cachaça deve atender aos parâmetros oficiais de potabilidade, exceto em relação ao residual mínimo de cloro ou dióxido de cloro.

8. Chipagem: uso de lascas de madeira

Antes: Veda o uso de lascas de madeira e maravalhas para correção, modificação da coloração original do produto armazenado ou envelhecido, e do produto submetido a estes processos.

Depois: Permite o uso de fragmentos de madeira com o objetivo de conferir à bebida características sensoriais, desde que o produto traga no rótulo essa informação. Neste caso, fica proibido o uso de expressões que remetem à ideia de envelhecimento.

9. Pé-de-cuba: fermento caipira

Antes: Não impede, mas também não autoriza o uso tradicional do fermento caipira, como fubá de milho e arroz, para promover a fermentação do caldo de cana.

Depois: Permite a utilização de substância amilácea (encontrada em alimentos que contenham amido como o milho e o arroz) para suporte ao início da fermentação, bem como o uso de coadjuvantes de tecnologia previstos pela Anvisa.

10. Artesanal, Premium, Extra Premium e Reserva Especial

Antes: Permite o uso das expressões Premium (para cachaças envelhecidas em madeira por mais de um ano), Extra Premium (para cachaças envelhecidas por mais de três anos) e Reserva Especial (para cachaças comprovadamente diferenciadas sensorialmente), mas veda uso do termo “Artesanal” como designação, tipificação ou qualificação.

Depois: Veda o uso das expressões que atribuam características terapêutica, medicamentosa ou de superlatividade, tais como artesanal, colonial, caseira, familiar, natural, 100% natural, premium, extrapremium, reserva, pura ou similares, exceto quando previstas em legislação específica.

Como participar da Consulta Pública para mudar a Normativa da Cachaça

  1. Acesse o site do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e solicite acesso.
Sisman - mudança na Instrução normativa da cachaça

2. Após o cadastro, você receberá seu usuário e senha por e-mail.  Acesse novamente o site com os dados e clique em Consultas> Consulta Pública > Participar.

Sisman Passo 2

3. Escolha o item “Piq Aguardente de cana e Cachaça (Revisão In 13/2005) – Ar Sda 2020/2021”. Em seguida clique no botão “Participar”.

Sisman Passo 3

4. O sistema abrirá uma tabela onde você pode preencher e justificar suas propostas. O prazo limite para as contribuições se encerra em 13 de setembro de 2021, o Dia Nacional da Cachaça.

Sisman Passo 4 - normativa da cachaça
Ana Paula Palazi

Ana Paula Palazi

Jornalista, repórter, especialista em jornalismo científico e cachaceira. Atualmente, misturando comunicação, cachaça e percepção pública da C&T num mestrado pela Unicamp

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Já se inscreveu no Mapa da cachaça?

    40 mil já fazem parte da nossa comunidade.

    Se inscreva agora e receba no seu e-mail o melhor do Mapa da Cachaça