Fecha corpo

A paisagem é bucólica. Quem chega a Monte Alegre do Sul, no Circuito das Águas Paulista, tem a impressão de viajar no tempo. O trem parado na antiga Estação da Mogiana, parece estar de partida a qualquer momento. Perto dali, outro patrimônio septuagenário da cidade resiste à passagem do tempo: o Fecha Corpo.

Ninguém se perde na pequena Monte Alegre do Sul (SP). Seguindo qualquer uma das ruas de pedra chega-se à praça central, onde elevada no ponto mais alto e rodeada pelos casarões antigos, fica a Igreja Santuário do Senhor Bom Jesus. Há 72 anos, numa dessas casas de frente ao antigo coreto, a Sexta-feira Santa é dia de acordar bem cedo para preparar o Fecha Corpo. Uma infusão de cachaça com arruda e guiné tomada em jejum e acompanhada por um pãozinho com aliche.

Ainda na madrugada, Maurício Valente vai para o quintal colher as ervas medicinais de gosto e cheiro que acredita-se proteger o corpo contra o mau-olhado e a inveja. Antes dele, o pai e o avô também seguiram a mesma cerimônia sem nunca interromper o costume.

“Desde a morte de meu avô, fazemos questão de manter a tradição e levamos o ritual muito a sério em respeito à fé das pessoas. Se o Fecha Corpo funciona, eu não sei, mas não arrisco ficar sem tomar minha dose”

Maurício Valente, neto de Zezé de Valente, comerciante que popularizou a tradição do Fecha Corpo, em Monte Alegre do Sul.

A origem do Fecha Corpo de Monte Alegre do Sul

Bem antes de tornar-se a referência da garrafada da Sexta-Feira Santa, José de Oliveira Valente foi funcionário da antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Aos 23 anos, na época da Revolução Constitucionalista de 1932, o jovem telegrafista foi chamado para trabalhar no ramal ferroviário de Tanquinhos, em Piracicaba, no interior de São Paulo.

Na época, toda a região enfrentava uma epidemia de malária e nem o mensageiro foi poupado do infortúnio. Caiu de cama muito doente e mesmo depois de receber tratamento, em Campinas, sentia o mal-estar provocado pelo agravamento da doença.

Ao saber da situação delicada de saúde do rapaz, Benedita, uma escrava alforriada e benzedeira, que trabalhava na casa do chefe da estação, procurou Zezé Valente. Ela trazia consigo a solução para o problema. Tinha a receita que curaria todo o mal.

Nhá Sabá acreditava que o paciente sofria de uma enfermidade espiritual, mais especificamente mal-olhado, e receitou uma mistura de cachaça com arruda e guiné. Nas religiões de matriz africana essas ervas são usadas como proteção contra energias negativas. A bebida deveria ser preparada nas primeiras horas da Sexta-Feira Santa e tomada em jejum, sempre na mesma data, pelo resto da vida.

Quando a saúde melhorou, Zezé estava convencido de que a simpatia fora a responsável pela cura. Como profissão de fé, seguiu com o ritual ano após ano, sem nunca falhar. De volta à cidade natal, de Monte Alegre do Sul, comprou um bar na rua principal e a partir de 1948 passou, também, a oferecer a bebida de forma gratuita aos clientes e amigos que frequentavam o comércio popularizando a tradição.

Seu Zezé morreu aos noventa anos, mas antes pode acompanhar o jubileu do ouro do Fecha Corpo, comemorado em 1999. Mesmo depois de sua partida, a cerimônia continua sendo feita nos mesmos moldes, só que para um público muito maior. “Quando meu avô começou, não tinha esse volume, ele atendia de 20 a 30 pessoas. Hoje, só na nossa casa recebemos mais de 2 mil”, conta Maurício.

Cachaça e tradição religiosa como atrativo turístico

O Fecha Corpo faz parte do calendário oficial de eventos de Monte Alegre do Sul. Toda sexta-feira antes da Páscoa, os sete mil habitantes do pequeno município paulista vêem o número de pessoas na cidade dobrar em busca de uma dose do “santo remédio”. Para atender todos os visitantes e peregrinos, além do casarão histórico da família Valente, é possível encontrar a mistura em qualquer alambique da cidade e até levar para casa.

  • Em todos esses anos, o evento presencial só foi cancelado duas vezes, em 2020 e 2021, por causa da pandemia do coronavírus.

A paulistana Angélica Lotto Cirineu era criança quando começou a frequentar com o pai e as irmãs o Fecha Corpo. “Faz parte da minha memória afetiva. A fila era gigantesca, aguardávamos horas para pegar um copinho. Como na época não podíamos beber, meu pai deixava que molhássemos a ponta do dedo para nos proteger”, lembra.

Hoje, é ela quem ajuda a organizar o evento no alambique da família. Desde que o pai abriu a destilaria Brisa da Serra, há dez anos, nas Mostardas, distrito de Monte Alegre do Sul, a família recebe centenas de viajantes no dia do Fecha Corpo. Com o aumento da procura – quem experimenta a bebida quer levar de presente para parentes e amigos – tiveram a ideia de engarrafar a aguardente composta em miniaturas de 250 ml.

Segundo Angélica, a procura pelo Fecha Corpo tem sido grande, inclusive para envio pelos correios. “Tem muita gente que paga promessa. Outros vêm a pé e de bicicleta de cidades vizinhas. Na região, temos muitos trilheiros. Grupos maiores alugam vans e aproveitam para fazer um roteiro de visita aos alambiques”.

A receita monte-alegrense do Fecha Corpo

Fecha corpo

O Fecha Corpo de Monte Alegre do Sul

O Fecha Corpo é uma tradição antiga praticada toda Sexta Feira Santa em Monte Alegre do Sul e outras cidades do interior Paulista. A receita tradicional da cidade leva cachaça, guiné e arruda como remédio para o corpo e para alma
Servings 15

Ingredients
  

  • Punhado Guiné
  • Punhado Arruda
  • 750 ml Cachaça Pura

Instructions
 

  • Colocar um punhado fresco de arruda e alguns pedaços de raiz de guiné, lavados, numa garrafa  e cobrir com a cachaça pura.
  • Depois é só tampar e aguardar por pelo menos 1 hora

Notes

A única orientação é que as ervas sejam frescas e tenham sido colhidas no primeiro orvalho da Sexta-Feira Santa, ou seja, na madrugada. Depois de algumas horas de descanso, a bebida está pronta para o consumo.

Segundo a tradição, um gole em jejum pela manhã seria o suficiente para garantir proteção contra doenças físicas e espirituais por um ano, até o próximo feriado santo da Paixão. Pelo menos, é o que reza a superstição. Em todos esses anos a prática foi sendo incrementada. Os mais desconfiados preferem repetir a medida, mas nunca em número par. Nesse caso, dizem que as doses devem ser ímpares para garantir a sorte.

No acompanhamento da bebida – e uma tentativa de aplacar o gosto forte e amargo que poucos achariam agradável logo pela manhã – um pão com alichela (famoso antepasto da culinária italiana) também é oferecido. Dentro da tradição católica, a Sexta-Feira Santa é um dia dedicado à abstinência de carne vermelha, por isso o peixe ajuda a forrar o estômago vazio.

Mistura de culturas em rituais de proteção

A história e cultura do fechamento do corpo remonta a mais de 500 anos, no Brasil, quando religiões africanas e européias sobreviveram à travessia do Atlântico. Hoje, várias cerimônias para fechar o corpo são praticadas pelo país. Lampião e seus cangaceiros recitavam uma oração de corpo-fechado diariamente. O antropólogo Câmara Cascudo descreve em seus livros outros métodos no Sertão que incluíam água e gestos.

Na própria região do Circuito das Águas Paulista, há mais relatos do ritual com cachaça, variando apenas a composição da garrafada. Em Amparo e Socorro, por exemplo, a crença camponesa começava com rezas de recomendação às almas e tinha como ponto alto do período de penitência, a ingestão da aguardente de sete ervas. Além de arruda e guiné, a infusão trazia alecrim, carqueja, alho e cravo.

Ana Paula Palazi

Ana Paula Palazi

Jornalista, repórter, especialista em jornalismo científico e cachaceira. Atualmente, misturando comunicação, cachaça e percepção pública da C&T num mestrado pela Unicamp

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Dadinhos de madeira

Dadinhos de Madeira 1kg – Sem Tosta

Um quilo de dadinhos de madeiras sem tosta para envelhecimento acelerado. As opções de madeiras são: Amburana, Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Cumaru, Eucalipto, Ipê, Jaqueira, Jequitibá, Putumujú

Comprar
mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Já se inscreveu no Mapa da cachaça?

    40 mil já fazem parte da nossa comunidade.

    Se inscreva agora e receba no seu e-mail o melhor do Mapa da Cachaça