roda dagua

Cachaça bicentenária da família de Tiradentes é produzida da mesma forma há 8 gerações. No Engenho Boa Vista, as marcas Século XVIII e Santo Grau nos ajudam a entender essa rica história

O dia estava com cara de outono. Sol forte e temperatura agradável no campo. E, ao telefone, a voz não escondia o sotaque.

“Me chamo Luiz Fernando Silva de Resende Chaves, mais conhecido como Nando Chaves”.

Nando é um típico mineiro de fala mansa e muita história pra contar. Ele voltava da lavoura, onde a “quebra” do milho começava. A colheita feita manualmente, como os antepassados dele faziam, marca o início de uma outra tradição por ali: a produção artesanal de cachaça.

“O alambique pertence a minha família desde 1755, sou a oitava geração que está aqui fazendo e bebendo cachaça”, revela com orgulho.

Conversar com o produtor é ter uma aula sobre a história do Brasil. Zootecnista de formação e mestre alambiqueiro por paixão, Nando é parente distante de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. A bisavó do tataravô dele era Antonia Rita da Encarnação Xavier, irmã mais nova do herói da Inconfidência Mineira.

Com 265 anos de história, o engenho Boa Vista é o estabelecimento mais antigo em funcionamento no país, segundo a Embratur (autarquia especial do Ministério do Turismo) e continua produzindo cachaça artesanal de maneira muito parecida como era feita nas origens do Brasil colônia.

O último desejo de um Inconfidente

O engenho está localizado na pequena cidade de Coronel Xavier Chaves (MG) – perto dos municípios de Tiradentes e São João Del Rey – região da apaixonante Estrada Real Mineira. A rota foi construída na época do Império para a passagem de ouro e diamantes que seriam enviados à Europa. Hoje, é destino turístico.

O prédio feito de pedra é tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional e ainda guarda a atmosfera e beleza bucólicos da época. Um bloco encontrado na fazenda, durante uma reforma, datava o ano de 1717. O que mostra que a construção do engenho é ainda mais antiga – tricentenária.

engenho santo grau

Nando conta que Tiradentes nasceu bem pertinho dali, na Fazenda Pombal, há apenas 12 quilômetros do engenho. Diz a lenda, que antes de ser executado, o mártir brasileiro teria pedido uma dose da cachaça produzida no alambique da família. O gesto seria um símbolo de resistência contra a Coroa portuguesa.

Se o patrono do Brasil conseguiu saciar a sede ninguém sabe, mas uma branquinha igual àquela pode ser degustada no mesmo lugar até hoje.

Produção controlada das cachaças Santo Grau e Século XVIII

Nando brinca que produz cachaça para beber e vende o que sobra. A produção artesanal é limitada a 30 mil litros por ano.

Mas, o mineiro não gosta de beber sozinho, por isso, adora receber visitas. Aos sábados, os turistas podem fazer a degustação acompanhada de uma linguiça flambada no fogão de lenha.

  • **Por enquanto, as visitas estão suspensas por causa da pandemia de Coronavírus

Entre um gole e outro, Nando conta a história do parapeito de uma janela do engenho, marcado a faca. Aquele seria o canto preferido de Tiradentes para comer queijo e tomar cachaça. O “causo” prende a atenção e Nando avança na conversa.

“É uma responsabilidade muito grande. Carrego a obrigação de manter a fibra. Ele [Tiradentes] foi um grande herói e tenho muito orgulho de descender e viver onde ele viveu”.

Cada cachaça: um apelido

Numa dessas conversas, há 27 anos, surgiu a parceria com a Natique da cachaça Santo Grau. O engenho Boa Vista produz a clássica Santo Grau Coronel Xavier Chaves. Uma cachaça branca, sem envelhecimento, equilibrada, doce e extremamente volátil. Apelidada pelo mestre alambiqueiro de “beijo roubado”, pois deixa um gosto de quero mais.

garrafa Santo Grau Coronel Xavier Chaves

Ali também é produzida a cachaça Séc XVIII e Séc XVIII especial. A primeira é a autêntica “branquinha” pura, com teor alcoólico elevado no máximo que permite a legislação e sem diluição com água. Uma explosão de sabores descrita por Nando como “esquenta peito”.

Já a reserva especial é envelhecida em dornas de aço inoxidável. Mais suave e sutil é chamada de “cachecol de seda”, pois envolve e traz uma espécie de conforto térmico.

O segredo do sucesso bicentenário do Engenho Boa Vista

A cachaça artesanal produzida no engenho Boa Vista segue a mesma tradição e receita, passada de geração em geração, desde 1755. O processo lento exige uma paciência que é típica dos mineiros.

A cachaça é extraída pelo método caipira e usa fermento feito de fubá de milho. A destilação em alambique de cobre, tem fogo direto, alimentado pelo próprio bagaço desidratado.

“Nosso grande diferencial, além da receita genuína é o terroir. Uma soma do tipo de clima, tipo de solo, variedade cana – usamos a mesma há 90 anos – e a cultura do fazer, que tornam o produto ímpar”, explica.

A cana é plantada num terreno rico, às margens do rio Mosquito. Uma área conhecida como aluvião. Em tempos de cheia o leito do rio extravasa, inunda e fertiliza a terra naturalmente. O manejo é totalmente orgânico e na enxada. Preserva a mata ciliar e cria um ecossistema sustentável.

“Na minha lavoura de cana habita o fungo saccharomyces cerevisiae, que faz a fermentação alcoólica. Eu planto o milho próximo porque esse milho se contamina com o fungo”.

A safra de cana só começa depois que os grãos de milho, maduros e secos ao sol se transformam em fubá no moinho de pedra, movido a roda d’água, tão antigo quanto o engenho. Além do angu caipira, receita indispensável na fazenda, a farinha fina de milho vai para o fundo da dorna, para virar o fermento.

Nessa etapa, Nando conta que destampa uma garrafa de cachaça, enche o copo e fica por dias “namorando” as dornas até que o fungo se manifeste. Depois ele adiciona um pouco de caldo fresco de cana, para alimentar o crescimento das leveduras e quando atinge o volume necessário, está na hora de cortar e moer a cana.

Branquinha pura – descanso sem madeira

Autenticidade é elemento muito presente nas cachaças Séc XVIII e Santo Grau – Coronel Chaves Xavier. A armazenagem não usa madeira. Uma opção do produtor. Para explicar o motivo, Nando empresta uma frase do pai, Rubens Resende Chaves, o Sr. Rubinho:

“A nossa cachaça não tem vergonha de ser cachaça!”.

Em dois séculos e meio, apenas duas modificações foram feitas na receita, para atender a legislação brasileira. A primeira foi a redução do teor alcoólico para que a bebida mantivesse a denominação de cachaça. A outra mudança aconteceu na forma de armazenamento.

As cachaças Século XVIII e Santo Grau nos ajudam a entender a história do Engenho Boa Vista, alambique fundado por familiares de Tiradentes.

Em Minas Gerais, o material mais abundante vem de recursos minerais, por isso, o engenho foi todo construído com blocos de rochas. O alambique é assentado numa fornalha de pedra e consequentemente, os tanques de armazenamento da cachaça também eram de pedra.

Quando as normas sanitárias mudaram, Nando precisou se adequar e optou por tanques de aço inox. Ele explica que o aço, assim como as pedras, não deixa a cachaça interagir com o ambiente externo, limitando as reações químicas entre as próprias moléculas da bebida.

“A madeira é porosa, a cachaça volatiliza, passa pelos poros e reage com o externo. Já a dorna de inox não interfere nas reações de estabilização”.

A qualidade do engenho Boa Vista tem sido reconhecida ano a ano, mantendo a cachaça Santo Grau Coronel Xavier Chaves e Século XVIII entre as melhores do país. E, se depender dos dois filhos de Nando, a tradição será mantida por mais gerações.

Ana Paula Palazi

Ana Paula Palazi

Jornalista, repórter, especialista em jornalismo científico e cachaceira. Atualmente, misturando comunicação, cachaça e percepção pública da C&T num mestrado pela Unicamp

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Adicionar um comentário

Curso

Aprenda o Essencial da Cachaça

R$190

Já se inscreveu no Mapa da cachaça?

40 mil já fazem parte da nossa comunidade.

Se inscreva agora e receba no seu e-mail o melhor do Mapa da Cachaça