Como proteger uma bebida nacional? - Mapa da Cachaça
Verallia

Como proteger uma bebida nacional?

26 de 04 de 2012

Em 2011, algumas associações de produtores de vinhos, capitaneados pela Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), entraram com pedido de salvaguarda para o mercado de vinho nacional no país. Isso, segundo eles, para proteger a venda de uma bebida nacional, que vinha decaindo bruscamente desde o início dos anos 2000, perdendo fortemente para os importados.

Campanha para proteger uma bebida nacional: Diga Sim aos vinhos do Brasil

A proposta analisada pelo governo poderia resultar numa diminuição da oferta de bons vinhos no país, já que estabeleceria cotas para importação. Enfurecida, quase toda a comunidade enófila se exaltou contra as medidas; dezenas de blogueiros se manifestaram; consumidores se colocaram ativamente contra e alguns chefs renomados, em protesto, chegaram até a tirar vinhos nacionais de suas estantes. Podem ter completa razão, mas eu não estou aqui exatamente para entrar neste debate. Quero apenas apontar alguns pontos que interessam a nós, que trabalhamos pela Cachaça.

Siga-se o raciocínio. Você já pode ter vivenciado isto na prática: tirando alguns brancos e, principalmente, os espumantes, o vinho brasileiro (tinto) de qualidade é caro. Chega a ser mais caro que um similar importado. Será que a saída é, então, limitar a entrada do concorrente ou tentar diminuir os preços? Como pergunta o blogueiro e enófilo Mauricio Tagliari, não seria mais lógico reduzir os impostos? Claro que sim.

Agora vamos a nossa bebida: questão semelhante acontece entre a Cachaça Premium e a vodka de qualidade razoável – infelizmente ainda preferida por muitos brasileiros no que eles chamam de “caipirinha”. O drink com Cachaça de qualidade pode ser, em muitos bares, mais cara do que sua versão deturpada (com vodka). E por quê? Porque os custos de produção e principalmente os impostos ainda são muito altos para o pequeno produtor de Cachaça. Tudo isso acaba favorecendo a então “concorrente”. Diminuindo os impostos que incidem sob a branquinha, ela ficaria ainda mais competitiva em relação à vodka; assim como o vinho nacional se tornaria mais atrativo que o importado, e não necessitaria de reserva de mercado para garantir a sobrevivência de sua produção de qualidade.

Tagliari ainda dá mais uma ideia muito bacana, e que também se aplicaria, talvez, à Cachaça: a da prática do imposto ad rem, ou seja, um custo fixo por garrafa de vinho/Cachaça. Assim, aquele litrão de aguardente vendido no supermercado a menos de R$5,00 teria que embutir em seu preço uma taxa fixa (de, por exemplo, mais R$5,00), que seria menos perceptível numa Cachaça de qualidade de R$30 ou R$40. Ajuda o pequeno produtor, e protege o mercado da inundação de bebidas muito baratas, e de baixa qualidade.

Mas, é claro, ainda há que se pensar sobre isto – e muito. O que fica de lição é que “forçar” os consumidores a uma escolha (seja de vinho ou quiçá de Cachaça) não é o caminho mais estratégico. Estejam os produtores com razão ou não, o que é fato é que eles provocaram a ira de muita gente e acabaram por atingir o oposto de seu objetivo: o repúdio ao vinho nacional (leia aqui: Fasano e Dom tiram vinhos nacionais das estantes). Deste modo, a campanha recém lançada pelo Ibravin (“Diga Sim aos Vinhos do Brasil”) pode acabar até descredibilizando um produto que tem, sim, imenso valor. Acredito que medidas estratégicas a longo prazo, para resguardar a produção de qualidade de bebidas nacionais (vinhos, espumantes ou mesmo a Cachaça) estão mais do que na hora de serem tomadas. Mas, é claro, com bastante cautela.

 

FONTES CONSULTADAS:

BLOG DO TAGLIARI: http://terramagazine.terra.com.br/blogdotagliari/blog/2012/04/21/protecionismo-ao-vinho-brasileiro-solucao-ou-erro-crasso/

http://noticias.terra.com.br/noticias/0,,OI5714889-EI188,00-Europeus+prometem+reagir+a+barreiras+ao+vinho+estrangeiro+no+Brasil.html

http://oglobo.globo.com/blogs/enoteca/posts/2012/04/11/o-futuro-do-vinho-brasileiro-esta-no-artesanato-nao-na-salvaguarda-439881.asp

http://www.mistral.com.br/vinho/salvaguardas/

http://www.enoeventos.com.br/201201/salva/salva.htm

http://www.ibravin.com.br/int_noticias.php?id=873&tipo=N

PUBLICADO POR:

youtube google-plus facebook twitter instagram user filter list