Renato Figueiredo compara o mercado da cachaça com o de vodka e whisky e desafia: quantas andorinhas são necessárias para se criar o mercado da cachaça?

Quantas marcas de vodka você conhece? Citem nomes. Uma, duas, três… quatro… Pronto. Já começa a ficar difícil, para um consumidor médio de bebidas alcoólicas lembrar de outras marcas da aguardente russa. E de Whisky então? Quantas marcas te vem à cabeça, se você não é um apreciador? Duas? Três? E quando o assunto é cachaça artesanal?

Se pensarmos na versão industrial da bebida nacional, conseguimos talvez bater até a soma das duas acima. Cinco, seis, ou até sete: várias marcas são lembradas com mais facilidade. Quando o papo é cachaça de alambique, aí a coisa fica mais difícil – é verdade. Mas, espremendo um pouquinho sai uma ou outra famosa de Salinas, ou mesmo alguma que a pessoa conheça de sua região – isso se não estamos falando com aqueles que não acessam o Mapa da Cachaça, é claro ; )

Desenho de andorinhas
Com quantas andorinhas se faz o mercado da cachaça?

E o que isso conta para nós?

Que nem sempre é necessário muitas marcas para se fazer conhecida e valorizada uma bebida. Pensemos também no caso do vinho: quantas não são as marcas de chateaus, mas quantas são, efetivamente, conhecidas pelo consumidor médio (aquele que não é especialista ou conhecedor)? Seguindo esta lógica, fica claro que não é extremamente necessário que muitas marcas façam investimentos massivos no marketing e em sua distribuição, mas apenas 1 ou 2 (veja mais neste post aqui).

No entanto, a coisa não é tão fácil quanto parece. Algo assim exige grande investimento financeiro, uma excelente distribuição, uma boa estratégia de marketing e comunicação e muito, muito suor.

É aí que lembramos do outro sábio ditado: “a união faz a força”. Nesse sentido, associações de produtores com o intuito de produzir uma ou duas marcas expressivas de qualidade podem ser muito interessantes. Num modelo de cooperativa, quando uma mesma marca é construída num esforço de coletivo.

Como o vinho, a variedade é necessária e parte da identidade da categoria da bebida nacional. Mas é preciso fornecer ao consumidor aquelas opções nas quais ele possa confiar, aquelas 5 ou 6 marcas que sejam facilmente encontradas, e que forneçam a ele uma boa qualidade sensorial e uma boa experiência com a bebida bem feita. Ainda tem espaço para os pequenos se unirem.

Por isto, até a semana que vem, fica aí o dilema para se pensar: com quantas andorinhas, afinal, se faz o mercado da cachaça?

Ilustração de Mariana Pellegrini, gentilmente autorizada pela autora para uso neste post. Vá ao blog dela: http://maryinventamoda.blogspot.com

Participe do nosso grupo no WhatsApp e receba em primeira mão nossas novidades, eventos e promoções

EVENTOS

Quem realizar eventos corporativos com degustação ou aulas para saber mais sobre cachaça. Entre em contato com nossos especialistas e te ajudaremos a realizar um evento memorável

TELEGRAM DA CACHAÇA

Entre para o Telegram do Mapa da Cachaça e receba ofertas exclusivas de destilados produzidos no Brasil, al´me de artigos, notícias e eventos do mercado de destilados.

PARCEIROS DO MAPA

O Mapa da Cachaça é a principal referência sobre cachaça. Seja um parceiro e nos ajude a construir nossa comunidade cachaceira e dê destaque aos seus produtos especiais.

Quer receber no seu e-mail 5 aulas gratuitas sobre cachaça? Assine nossa newsletter exclusiva e durante 5 dias te enviaremos o melhor conteúdo sobre o destilado brasileiro!

Compartilhe esse artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
  • Mariana
    agosto 24, 2011 at 11:59 am

    Muito bem, parabéns pelo post e obrigada pelo crédito.
    Beijoca!

  • […] Leia mais: Com quantas andorinhas se faz uma Cachaça? | Mapa da Cachaça […]

    [WORDPRESS HASHCASH] The comment’s server IP (50.22.65.2) doesn’t match the comment’s URL host IP (50.22.69.40) and so is spam.

  • isaias
    outubro 17, 2011 at 1:45 pm

    Muito legal conhecer a iniciativa de descolar a cachaça . Temos de ter identidade . Voce ja conhece a cachaça aqui da zona rural de Santa Cruz do Rio Pardo -SP . No bairro do Cebolao , feita pela familia Pinhata . Ja tomei um ” par ” de cachaças . Salinas inclusive , Nega Fulo , Boazinha , Seleta etc . mas nao chega ao pé dessa daqui do Cebolao !!!

Adicionar um comentário