Receitas

Mestre Derivan fala sobre a cachaça na coquetelaria brasileira

Print Friendly

O Mapa da Cachaça fez uma entrevista com o Mestre Derivan, renomado barman brasileiro. No vídeo, Derivan fala sobre o uso da cachaça na coquetelaria brasileira e prepara um drink de sua criação, o Leblon La Belle Époque.

Mapa da Cachaça:

Por que tomamos determinados destilados com suco, servimos em copos especiais e misturamos com diversos ingredientes e não fazemos nada disso com a cachaça?

Mestre Derivan:

E se eu te disser que a cachaça pode ter tanto ou até mais qualidade do que esses outros destilados? Existem hoje profissionais atrás dos balcões de bares e restaurantes brasileiros pesquisando o uso da cachaça na coquetelaria. Devemos mostrar toda a qualidade e versatilidade que a cachaça pode ter para representar uma coquetelaria brasileira.

Mapa da Cachaça:

Quais seriam os diferenciais da cachaça na coquetelaria? 

Mestre Derivan:

A cachaça, além da qualidade que citamos anteriormente, também possui versatilidade, que amplia o potencial do destilado como ingrediente, considere, por exemplo, os mais diferentes tipos de cachaças envelhecidas nas diversas madeiras brasileiras, cada uma trazendo sua característica própria. Então, além das cachaças brancas, que não passam por madeira, que podem servir como base para drinks mais tradicionais, podendo substituir um rum ou tequila, podemos inventar muita coisa nova com as cachaças envelhecidas.

Mapa da Cachaça:

Como podemos definir uma coquetelaria brasileira?

Mestre Derivan:

Pensar numa coquetelaria brasileira, claro, é valorizar os nossos ingredientes nacionais, como especiarias, frutas e o destilado nacional, a cachaça. Mas é também aprender com as técnicas lá de fora e ficar de olho no que é tendência e incorporar nas nossas receitas.

Mapa da Cachaça:

Pode citar um exemplo de receita que ilustre o uso da cachaça no contexto de uma coquetelaria nacional?

Mestre Derivan:

Pensando nisso, criei um drinque chamado Leblon La Belle Époque que exalta dois ingredientes brasileiros, a cachaça Leblon e um licor de açai chamado Cedilla. Nessa receita de coquetel, busquei também uma influência do que está em alta lá fora utilizando, portanto, o cardamomo, um grão que é essência na coquetelaria internacional, e o champagne – afinal, ninguém abre champagne para chorar, só para comemorar.

O Barman Derivan prepara um drink com cachaça

Derivan, barman do Número em São Paulo

Autor(a) Mestre Derivan
Ingredientes
  1. 5 uvas brancas
  2. 5 uvas negras
  3. 4 grãos de cardamomo
  4. 50 ml Cedilla – licor de açaí
  5. 60 ml de cachaça Leblon
  6. 40 ml de Champagne
  7. Gelo
Instruções de preparo

Coloque as uvas numa coqueteleira. Macere levemente.

Coloque os grãos de cardamomo na coqueteleira e macere bem

Coloque uma dose de licor de açai Cedilla. 

Adicione a cachaça Leblon

Bata com gelo numa coqueteleira.

Passe a mistura para uma taça com gelo. 

Complete com champagne

Rendimento 1 taça
Fotos

No vídeo usamos uma esfera de gelo numa taça especial Belle Époque. Mas você pode usar também cubos de gelo numa taça comum.

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]
Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

Somos uma referência cultural, histórica e sensorial sobre cachaça. Gosta de cachaça boa? Então siga o Mapa da Cachaça.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

1 comentários

  1. Pingback: Entrevista do Mestre Derivan ao Mapa da Cachaça | Mestre Derivan l Barman - Cocktails - Drinks