Receitas

Crustoli, para celebrar a Vó Mercedes

Print Friendly

Aprenda como a Elisa D. Teixeira a fazer a receita de Crustoli (Chiacchiere) com cachaça, da Vó Mercedes.

Crustoli (Chiacchiere)

Conheci a D. Mercedes, vó da Carolina, numa das primeiras vezes que fui para Piracicaba, muitos anos atrás. Ela era calma, falava baixo, usava uns óculos daqueles que deixam os olhos maiores do que são, e tinha um abraço macio. Fazia crochê e bordava toalhas e panos de prato lindos (tenho vários dos que ganhamos dela até hoje), mesmo sendo praticamente cega de um olho. Tinha aquela sabedoria de vó, aquela de quem já viveu de tudo um pouco e, por isso mesmo, não se aflige com pouca bobagem. Certa vez foi atravessar a rua na frente de um caminhão enorme parado no sinal, que não a viu quando a luz verde acendeu e acabou derrubando-a no chão, com o braço machucado. Seu comentário para nós, risonha: “Uma Mercedes atropelou a outra Mercedes!”.

Numa das vezes que a visitamos experimentei seus crustoli, quitanda italiana também conhecida por chiacchiere, típica da época de carnaval, que toda a família aprendeu a amar de paixão. Quando vó Mercedes faleceu, suas filhas, muito práticas e devotas, doaram todos os seus pertences para uma casa de caridade da cidade. A Carol, desolada, na última visita que fez à casa que sempre fora de sua avó, perguntou a uma delas, sua voz ecoando tristemente no vazio dos cômodos: “E o que vocês fizeram com o mattarello da vó?” (o enorme pau de macarrão, longo como um cabo de vassoura, que o pai de D. Mercedes havia esculpido para ela de presente de casamento). “Ah, o mattarello ficou aqui, atrás da porta… a gente não sabia o que fazer com ele”. “Posso ficar para mim!?”. E Carol, mattarello na mão, não cabia em si de felicidade – nenhum objeto poderia capturar melhor a lembrança de sua avó querida do que aquele pau de macarrão, que ela a vira usar para fazer seus crustoli, sua sopa de pappardelle e outras gostosuras de sua infância.

A receita que apresento aqui é prática, pois pode ser aberta na máquina de macarrão, mas guarda a magia da combinação infalível de massa frita com açúcar e canela, sabor de muitas das melhores lembranças de infância de todos nós.

Autor(a) Elisa D. Teixeira
Ingredientes
  1. 2 a 2 1/4 xíc. (chá) de farinha de trigo
  2. 1/2 colh. (chá) fermento em pó químico
  3. 60 g de manteiga sem sal
  4. 1/4 xíc. (chá) de vinho branco seco
  5. 3 colh. (sopa) cachaça branca
  6. 1 colh. (sopa) açúcar refinado
  7. 1 ovo grande, em temperatura ambiente
  8. açúcar e canela a gosto, para polvilhar
Instruções de preparo

1. Derreta a manteiga e deixe esfriar até chegar à temperatura ambiente.

2. Peneire a farinha de trigo com o fermento em pó e misture bem.

3. Em uma bacia, misture o ovo, o açúcar, a manteiga derretida, o vinho e a cachaça e bata bem com o batedor de arame. A mistura vai formar grumos, mas não tem importância.

Crustoli - Elisa Duarte Teixeira

4. Junte um terço da farinha e misture bem com uma colher de pau. Junte mais um terço e mexa até a massa formar uma bola. Junte o restante da farinha aos poucos, primeiro esfregando um pouco na colher de pau para retirar a massa grudada, e vá sovando com a mão até obter uma massa macia e elástica, mas ligeiramente grudenta. Faça uma bola, cubra a bacia com filme plástico e leve à geladeira por pelo menos meia hora.

Crustoli - Elisa Duarte Teixeira

5. Aqueça a 190oC uma quantidade de óleo suficiente para fritar os crustoli por imersão.

6. Abra a massa na máquina de macarrão, ou com o rolo, até atingir a espessura de cerca de 3mm, polvilhando com um pouco de farinha para evitar que grude. Corte retângulos de cerca de 12 x 4 cm, usando uma carretilha canelada. Faça duas incisões paralelas e equidistantes das pontas, a um ângulo de cerca de 90o. Insira a ponta do triângulo que se formou (cujo corte é a base) dentro da incisão e puxe ligeiramente, como se estivesse virando do avesso, mas sem esticar muito a massa. Faça o mesmo com a outra ponta (veja foto).

Crustoli (Chiacchiere)

7. Frite os crustoli no óleo já quente, em lotes pequenos (eles crescem bastante). Vá banhando a superfície e virando enquanto frita, para que empipoquem bem e dourem por igual. Escorra em papel absorvente e polvilhe com açúcar e canela enquanto ainda estiverem quentes.

Crustoli (Chiacchiere)

Dicas Você pode usar açúcar de confeiteiro ou açúcar refinado para polvilhar. Eu prefiro o refinado, pois dá uma certa crocância e tem mais gostinho de infância para mim. Os crustoli fritos e já frios podem ser guardados em recipientes bem vedados, forrados com papel-toalha, por até uma semana. Ficam uma delícia com um bom cafezinho e também com sorvete.
Fotos

receitas com cachaça - Banner Mapa da Cachaça
Rotulos de Cachaça
Elisa Duarte Teixeira

Elisa Duarte Teixeira

Elisa Duarte Teixeira é culinarista: adora tudo que tem a ver com cozinha. Fez dessa paixão seu tema de estudo, seu ofício, e sua arte. É tradutora especializada em culinária e autora do blog Authentic Brazilian Cuisine.(http://authenticbraziliancuisine.blogspot.com/)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

2 comentários

    • Oi mãe,
      Obrigada pelo comentário! Só hoje consegui ter acesso aos comentários para deixar aqui meu “obrigada”.
      Em breve vamos fazer algumas dessas gostosuras juntas!
      Saudades,