Onde beber

2º Clichê

Print Friendly

Conforme reza a cartilha do jornalismo, Segundo Clichê é o nome dado à tiragem suplementar de uma mesma edição de um jornal, onde se publicam notícias chegadas de última hora. Esse nome também foi adotado por uma cachaçaria de Brasília, no Distrito Federal. Quando cheguei lá pela primeira vez, estava com os amigos Jorge e Márcio, que moram em Porto Alegre e que assim como eu, estão passando por uma temporada de trabalho na capital federal.

2º Clichê -Fachada

Veio do Marcio, blogueiro acostumado a recomendar bons bares, a indicação do local que fica no centro de uma comercial da Asa Norte, onde inicialmente deparei-me com um bar temático que enaltece a imprensa escrita e oferece cerca de 300 marcas de cachaças de quase todos os estado do Brasil.

2º Cliche - Prateleiras

cachaçaria existe há 15 anos e foi fundada por um jornalista de nome Gutemberg, provavelmente um apaixonado por cachaça. Mais tarde, esse jornalista vendeu a casa a um gerente do estabelecimento, que depois passou ao atual proprietário, Tiago Rodrigues, um jovem empreendedor que acredita no potencial deste importante destilado.

O ambiente é decorado com garrafas de cachaça, alguns barris e acessórios que nos remetem aos antigos galpões tipográficos da velha imprensa. O cardápio imita um jornal antigo, amarelado pelo tempo e categoriza as cachaças por campeonatos estaduais, elencando as marca versus os locais onde são produzidas, algo como: Campeonato Mineiro, Germana X Nova União, Havana X Salinas, e assim por diante. Fiquei bastante impressionado com a variedade de cachaças e principalmente com a variedade de origens, além do atendimento especializado que agrada a qualquer pessoa que queira uma opinião profissional do que pedir.

2º Clichê - Barril

A casa, que já foi eleita duas vezes como melhor cachaçaria pela revista Veja (2004 e 2008), oferece petiscos como “Linguicinha suína de formiga” (R$17,50), “Filé mignom ao molho de queijo gorgonzola ou parmesão”(R$29,50), entre outras delícias que podem ser combinadas com as cachaças ou mesmo com algumas cervejas especiais, além de uma variedade de caipifrutas que são oferecidas (kiwi, abacaxi, uva, limão e morango) , todas na faixa entre R$6,00 e R$8,00. O local é frequentado por intelectuais, jornalistas e apreciadores de cachaça. Às terças, quartas e sábados, o público é contemplado com música ao vivo na linha do Jazz, Blues e MPB de primeiríssima qualidade.

2º Clichê -Música ao Vivo

Voltei a visitar o 2º Clichê na companhia dos amigos mineiros Gleison (parceiro de outras estradas), Trajano, Carlos e Leonardo; foi uma festa só. Abrimos mão de nosso bairrismo e experimentamos a famosa Rainha Paraibana (R$4,50), uma cachaça espetacular, branca, com um aroma raro e um sabor doce que encantou a todos. Inclusive, você pode assistir um vídeo com o sommelier de cachaça Leandro Batista falando sobre a Rainha Paraibana no perfil dela no Guia Mapa da Cachaça. Dali, partimos para a cidade de Paraty-RJ e experimentamos a Coqueiro (R$6,50), que faz juz à fama, além de degustarmos também a Coqueiro Azulada (R$4,00), que leva folha de tangerina em seu processo de destilação, o que faz com que o líquido fique com uma coloração azulada.

2º Clichê -Luciano e Amigos

Luciano e amigos no 2º Clichê em Brasília

Dessa vez, tive a oportunidade de conversar com Auricélio Silva, gerente do estabelecimento que está lá há 9 anos. Célio, como é chamado, pertence à nova geração de sommeliers de cachaça que seguem a linha “Leandro Batista” na simpatia, conhecimento e atenção em recomendar o melhor aos clientes.

Com pouco tempo de Brasília, já percebi que essa cidade leva a sério nossa preciosa bebida, mesmo os bares não especializados em cachaça apresentam em seus cardápios uma variedade de 10 ou 12 marcas de boas cachaças, uma informação muito gratificante para aqueles que, como eu, buscam a cada dia, uma maior valorização da cachaça artesanal de qualidade, rompendo mais e mais com o preconceito histórico de nosso ouro líquido.

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]

Luciano Davini

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *