10ª Edição da Cachaça Da Tulha é um blend complexo

Print Friendly, PDF & Email

Desde 2007, a cachaçaria Da Tulha, de Mococa, interior paulista, vem se consolidando como produtora de blends exclusivos.

Desde a criação da primeira versão Cachaça da Tulha Edição Única em 2007, a empresa, atualmente comandada por Dudu Quintella, aposta em técnicas de blendagens consolidadas por outras bebidas e ainda inusitadas no universo do destilado nacional.

Cachaça da Tulha Edição Única

Inovação com blends especiais da Cachaça da Tulha

“Eles abraçaram o conceito de blend de uma maneira especial, semelhante ao que é feito com o uísque na Escócia”, afirma Maurício Maia, colunista especializado em cachaça de O Estado de São Paulo. “Eles levaram a ciência do blend ao limite, e isso ninguém faz.”

Voltando no tempo, a empresa familiar já produzia cachaça quando recebeu uma sugestão de Edgar Bueno da Costa, um dos fundadores da Cia. Tradicional de Comércio (famosa pelo Pirajá, entre outras casas). “Cachaça é um mercado linear, difícil de se criar, vocês precisam fazer alguma coisa para se destacar”, relembra Dudu.

“Daí, a ideia de fazer um blend veio do Erwin (Weimann). Afinal, se tem uísque que blenda diferentes idades da mesma madeira, a gente ainda podia blendar madeiras diversas, e ter isso como um grande diferencial em nosso portfolio.”

Para a edição 2016, comemorativa de 10 anos, eles foram ainda mais ousados e mesclaram bebidas envelhecidas em 5 madeiras diferentes, com variedade de tempo para o envelhecimento nas mesmas madeiras. Acompanhe o blend:

  • 50% de cachaça envelhecida em jequitibá (Desses, 60% permaneceu na madeira por cinco anos, 20% por oito e outros 20 por 11 anos).
  • 25% de cachaça envelhecida em bálsamo (Desses, 60% com 15 anos e 40% com seis).
  • 20% de cachaça envelhecida em carvalho europeu por 10 anos.
  • 4% de cachaça envelhecida em carvalho americano por dois anos e cinco meses.
  • 1% de cachaça envelhecida em amburana por 10 anos.

Para quem acha isso uma bobeira, Maurício Maia é taxativo: “Nós testamos 1% e 2% de amburana e concluímos que, naquela porcentagem mais baixa, era possível adicionar um toque especial no blend como um todo. Investir em 1% de amburana é acreditar em um potencial de sutileza bastante específico e difícil de achar em outras cachaças.”

Anualmente, a combinação perfeita é decidida em um encontro que dura em torno de 2 horas. Nesses momentos exclusivos, especialistas e nomes fortes da gastronomia se reúnem para “brincar de alquimista” e propor a mais variada gama de combinações de sabores.

Em 2016 a Edição Única contou com a participação de Erwin Weimann, Luisa Saliba, da Rota do Acarajé, Gerson Menezes, do grupo Rubaiyat, Marcelo Chuquer, Dudu Quintella e Maurício Maia. Esta é, inclusive, a primeira vez que o produtor, no caso o Dudu, está estampando um dos rótulos da cachaça.

Cachaça Da Tulha Edição Única

Rótulos da Cachaça Da Tulha 2011 criados pelo artista Juarez Fagundes

A preocupação com a exclusividade é tão grande, que os rótulos sempre são produzidos por artistas plásticos para a Edição Única. Em 2011 tal característica foi levada tão a sério, que o artista Juarez Fagundes pintou uma grande tela que depois foi recortada em mais de mil pedaços: um para cada garrafa da qual se tornaria rótulo.

21/11–19h– Lançamento da Cachaça da Tulha Edição Única

Cachaça da Tulha Edição Única 2016
Figueira Rubaiyat
Rua Haddock Lobo, 1738, São Paulo (SP)
Inscrições no https://www.facebook.com/events/126395291176023/

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]
Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

Somos uma referência cultural, histórica e sensorial sobre cachaça. Gosta de cachaça boa? Então siga o Mapa da Cachaça.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *