Artigos

Os Alambiques Gaúchos– Cachaça Weber Haus

Print Friendly

O Mapa da Cachaça visita o alambique da Cachaça Weber Haus em Ivoti - Rio Grande do Sul e conhece uma tradicional e histórica colônia alemã.

Na semana passada escrevi sobre minha visita ao alambique da Cachaça Bento Albino em Maquiné. Depois de comer pela primeira vez um autêntico churrasco fogo de chão e conhecer meu primeiro alambique gaúcho, no dia seguinte, continuaria a viagem saindo do litoral rumo ao centro do estado, onde fica o alambique da Cachaça Weber Haus.

Cachaça Weber Haus – Ivoti – RS

A cachaça Weber Haus é produzida numa cidadezinha chamada Ivoti, localizada mais ou menos a uma hora de Porto Alegre. Como o nome da cachaça sugere, a Weber Haus é uma cachaça produzida por descendentes de alemães, traduzindo, seria algo como: “A Casa dos Weber”. O anfitrião dessa viagem foi o Evandro Weber, filho de Hugo Weber e neto de José Weber Filho, e atual responsável pela cachaça.

A história do alambique começou em 1948 quando Hugo e José produziam a cachaça Primavera. O nome foi dado porque esta era a estação do ano mais agradável para os recém chegados da Alemanha. A cachaça também era carinhosamente chamada na região de Cachaça 48 por causa da localização do alambique no endereço Picada 48 Alta (o número faz referência à quantidade de lotes recebidos pelos primeiros colonos de Ivoti). Em 2001, a Primavera passa a se chamar Cachaça Weber Haus.

Cachaça Primavera - Ivoti - Rio Grande do Sul

Familia Weber Haus - Hugo Weber

A família Weber chegou em Ivoti, um dos berços da colonização alemã no Brasil, em 1826. A migração alemã na região era incentivada pelo Imperador Dom Pedro I como forma de preservar as fronteiras e também por motivos políticos, já que a Imperatriz Leopoldina tinha sangue germânico.

A influência da realeza brasileira em Ivoti já é percebida logo de cara: para chegar ao centro histórico da cidade precisamos cruzar a Ponte do Imperador, uma construção em estilo romana de 1857 feita em homenagem a D. Pedro II. Atualmente, a ponte é patrimônio histórico nacional, tombada pelo IPHAN.

Ponte do Imperador - Ivoti - Rio Grande do Sul

Chegar em Ivoti é uma experiência muito interessante e um tanto inusitada. Saímos da movimentada BR-116, cruzamos a Ponte do Imperador e chegamos num centrinho que se não fossem as caixas de som tocando músicas volks e a SVU parada na rua, a sensação era de estar numa vila alemã do século XIX. Muito desse sentimento é devido a conservação da técnica de construção em enxaimel, muito popular na Alemanha, e utilizadas nas construções do centro histórico de Ivoti, no qual as paredes das casas são montadas com hastes de madeira (guajuvira e angico) encaixadas entre si e com os espaços preenchidos por pedras ou tijolos.

Nucleo de Casas Enxaimel em Ivoti - Rio Grande do Sul

Para manter esse espírito saudosista, nesse centrinho de casas enxaimel encontra-se o Museu Claudio Oscar Becker, onde os turistas podem conhecer as histórias e memórias dos primeiros moradores de Ivoti. O acervo do museu é composto por roupas, sapatos, utensílios domésticos e itens decorativos de uma casa do século XIX e início do século XX.

 Sapato no Museu de Ivoti RS

Radio no Museu de Ivoti

Ao lado do museu fica a Casa do Artesão. Nela são comercializadas peças de artesanato em argila, pano e madeira feitas pela comunidade. Eu comprei uma peça de argila representando uma casa enxaimel, que vai ficar bem legal na estante junto com a coleção de cachaça.

Enxaimel Argila Weber Haus

Se o centrinho de Ivoti representa costumes de gerações passadas, o alambique da cachaça Weber Haus é um exemplo de modernidade quando o assunto é a produção de cachaça. No final da década de 40, nas primeiras alambicadas,  a estrutura consistia em um galpão com um engenho movimentado por mulas, uma sala de fermentação composta por tonéis de madeira e um pequeno alambique de cobre.

Alambique Antigo da Weber Haus

Hoje, no alambique da cachaça Weber Haus, a fermentação tem controle de temperatura digital, os alambiques destilam entre 120 – 180 mil litros de cachaça por ano e são cinco os tipos de madeira para envelhecimento: amburana, bálsamo, cabreúva, carvalho europeu e carvalho americano. A área de plantação de cana-de-açúcar fica logo ao lado do alambique, dessa forma proporcionando o corte e a moagem no mesmo dia, evitando a fermentação precoce e tornando possível uma fermentação controlada com leveduras selecionadas.

Destilaria Weber Haus - Ivoti - Rio Grande do Sul

Weber Haus - Alambique em Ivoti - Rio Grande do Sul

Plantação de cana-de-açúcar da Cachaça Weber Haus

Com investimento em tecnologia, conhecimento e marketing, Evandro Weber produz cachaças e licores de diversos sabores, vendidos em todo Brasil e com uma grande aceitação de público. Aqui em São Paulo, conheço diversos apreciadores da Cachaça Weber Haus Amburana. Mas visitar o alambique dos Weber, mais do que conhecer cachaças e licores, é aprender sobre as tradições e os costumes de uma colônia alemã no nosso país. Um dos objetivos do Mapa da Cachaça é justamente divulgar esse tipo de turismo envolvendo cultura, histórias e boas doses de cachaça de qualidade.

No final da viagem, participamos de um jantar preparado por um chef alemão que comprovou que essa mistura Brasil e Alemanha também dá certo na cozinha. Em Ivoti, comi meu primeiro porco recheado e flambado na cachaça com chucrute e cuca de chocolate. Uma delícia para comer junto com a Weber Haus envelhecida em carvalho e bálsamo, minha Weber favorita!

Porco na Cachaça com Cuca e Chucrute

 

 

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]
Felipe Jannuzzi

Felipe Jannuzzi

Felipe é produtor multimidia. Na velhice, talvez sossegue e monte o próprio alambique, mas agora quer conhecer e divulgar todos os cantos do Brasil.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

19 comentários

  1. É com alegria que recebemos a matéria elaborada por profissionais amantes das cachaças de qualidade em especial a você Felipe que veio conhecer e prestigiar todo o nosso trabalho em defesa das cachaças de qualidade!!!
    Parabéns Evandro e família Weber Haus!!!!!
    E Parabéns a Você Felipé pelo seu Excelente trabalho de divulgação de todas as nossas cachaças, muito obrigado pela visita em nossos estabelecimentos aqui no RS!!!

  2. Olá! Sou de São Paulo e em minha última passagem por Porto Alegre, não resisti ao charme do licor de cachaça Weber Haus, que encontrei no mercado público da cidade. Além de inovador, é delicioso e faz o maior sucesso quando sirvo aqui em casa para os amigos. Faz tanto sucesso que já está na hora de comprar outra garrafa!! 😀 Parabéns pelo post!

    • Que bom que gostou do post e do licor, Marcela. Esse licor eu ainda não experimentei. Sou bastante fã da Weber armazenada em Amburana, mas minha favorita é o blend de bálsamo e carvalho. Na sua próxima visita ao Rio Grande do Sul, recomendo uma visita aos alambiques da região – são bem bonitos. grande abraço

  3. Pingback: 5 Cachaças que conquistam as mulheres | Mapa da Cachaça

  4. Tive a grata surpresa de conhecer na Weber Haus suas cachaças e licores. Não sabia que tínhamos aqui no RS, uma cahaça de tamanha qualidade. Para quem é exigente, recomendo a cachaça com amburana.

    • Oi Leo. O Rio Grande do Sul está produzindo excelentes cachaças. Além da qualidade, os lugares são lindos! Ótimo passeio turístico. grande abraço

  5. Recentemente provei pela 1ª vez duas cachaças produzidas no RS e as achei deliciosas. Eram bem suaves, muito cheirosas e saborosas.
    Ler esse delicioso artigo do Felipe Jannuzzi me faz acreditar que a cachaça de batelada com o implemento da tecnologia será em breve reverenciada e procurada por consumidores de todo o mundo como uma das melhores opções, se não a melhor, de destilado quimicamente perfeito e de grande sabor. Além da cachaça, qual outro destilado produzido no planeta consegue ter tanto sabor e ser tão edênico sem passar por madeira alguma ? Eu não conheço.
    Um grande brinde aos produtores de cachaça de batelada do Sul, ao Felipe pelo lindo artigo, e a todos os amantes e sérios produtores de uma das maiores expressões culturais do nosso amado Brasil.
    Forte abraço, Felipe.
    Khalil Tocci

  6. Pingback: Os Alambiques do Rio Grande do Sul – Cachaça Velho Alambique | Mapa da Cachaça

  7. Pingback: Os Alambiques do Rio Grande do Sul – Cachaça Flor do Vale | Mapa da Cachaça

  8. As cachaças desta empresa são muito boas,( ao menos as que provei até agora são) vale a pena conhecer e aproveitar desta qualidade. A amburana é a preferida de minha esposa.

  9. eu vi um programa na tv que entrevistava o dono de um bar e ele mostrou a cachaça weber haus como sendo uma das melhores de seu bar só que disse que era envelhecida em umburana e depois de assitir a historia da familia queria saber se voçes tem a cachaça ou so em carvalho e balsamo

    abraço

    Gerson

  10. Obrigado pela reportagem sobre o alambique Weber Haus. Esta é uma das melhores cachaças que já provei! Parabéns pelo site!

  11. Boa Tarde Pessoal, venho a muito tempo penssando em como poderia revender cachaca nos bares e restaurantes de porto alegre, acho que encontrei.
    Se for possivel vcs me mandarem fotos das cachacas (embalagens),se vcs vendem,qual a quantidade minima, e valores. mas lembrem que seria para revenda.

    se for possivel fico muito agradecido,e com certesa irei ate ai para converssarmos.

    Grande abraco e agurdo. Jader Barbosa.

  12. Lindo a historia e muito lindo o trabalho que esta família mantem as lembranças de seus pais.
    Parabéns.

  13. Sou paulista, estou morando em Novo hamburgo há 4 anos e sempre que recebo visita em casa é obrigatório levá-los à Weber Haus. Amo tudo, a qualidade dos produtos, o atendimento, o ambiente, a cidade, enfim, super vale a pena!