Artigos

Engenho Santo Mário, a história da cachaça de Catanduva

Print Friendly, PDF & Email

Do outro lado do oceano, na Lombardia, região norte da Itália, começa a história da cachaça Santo Mário. Conheça um pouco mais sobre esse engenho do interior de São Paulo.

Na Lombardia, região norte da Itália, começa a história da cachaça Santo Mario. Baptista Seghese e sua esposa eram empregados em uma fazenda produtora de grappa – bebida feita do bagaço da uva -, nos arredios da comuna de Cividate Al Piano, próxima a Bergamo. Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, passando por muitas dificuldades, o casal de camponeses decide partir para o Brasil. Baptista deixa sua terra, mas não os costumes.

Em 1918, atraídos pela demanda de mão-de-obra no interior de São Paulo, decidem fixar-se em Piracicaba, trabalhando por vários anos no corte nas extensas lavouras de cana-de-açúcar. Movido pelas lembranças da terra natal, e fascinado pela pinga que conhecera com amigos do campo, decide montar no fundo da casa um engenho, meio engenhoca, juntando ao longo de meses peças abandonadas e cedidas pelos seus patrões.

Em 1940, com a ajuda do filho Mário Seghese, Baptista realizada seu sonho e produz a primeira cachaça. A vontade de fazer cachaça era tanta, que Mário, juntamente com seu irmão Alberto, recolhia na estrada as cana que os caminhões em direção ao Engenho Central de Piracicaba deixavam cair.

O tempo passa. Mário Seghese sai de Piracicaba, constitui família e em Catanduva retoma o sonho iniciado pela pai: produzir cachaça de alambique. Surge o engenho Águas Claras em 1975. Oito anos depois, o nome muda, vira Santo Mário. O motivo: Mário fazia uma troca com os clientes. Para cada garrafa de cachaça não existente em sua pequena coleção, ele retribuía com um exemplar da sua. Resultado: um coleção com mais de 5 mil rótulos e uma canonização à la popular.

O santo Mario, filho de Batista Seghese

O santo Mario, filho de Batista Seghese

Com o falecimento de Mário em 2011, quem toca o empreendimento é seu filho Mário Sérgio. O engenho em suas mãos vai bem, virou até ponto turístico na cidade. “Como a gente tem um lado cultural (a coleção com garrafas de diferentes procedências), atraímos muita gente”, afirma.

“E o pessoal da cidade também gosta da gente, isso ajuda. Se você olhar no Facebook, eles comentam nossos posts. Falam bem, tem orgulho”, complementa. O sucesso em Catanduva se repete no Brasil, as vendas do engenho no mercado nacional cresceram em 2015. São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília são os  principais clientes.

“Hoje, a cachaça que a gente mais vende é a cachaça Santo Mario Ouro envelhecida em carvalho francês e americano. É um blend de carvalhos”, revela Mário Sérgio. Sobre novos produtos, adianta: “Vamos lançar (no final do ano) uma cachaça reserva que vai ser um blend de castanheira com amburana. A amburana bem envelhecida fica bem boa”.

Quando o assunto é exportação, ele mantém a cautela e explica: “ A gente quer exportar, mas tá passando por um processo de restruturação do engenho, que inclui profissionalização do processo e branding”.

“E ainda tem um porém, o valor que a cachaça é vendida lá fora é muito baixo. Como as grandes dominam o mercado, se você quiser vender, vai ter que vender por um dólar, dois dólares. Por isso que os produtores pequenos estão investindo muito em produtos Premium.  Porque o consumidor brasileiro, você consegue educar, o estrangeiro ainda não”, finaliza.

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]
Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

Somos uma referência cultural, histórica e sensorial sobre cachaça. Gosta de cachaça boa? Então siga o Mapa da Cachaça.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *