Artigos

Cachaça Sapucaia: Vale do Paraiba e Pirassununga

Print Friendly

Alexandre Bertin, proprietário da Cachaça Sapucaia, fala sobre sua nova unidade de produção em Pirassununga (SP).

Cachaça Sapucaia na sede em Pindamonhangaba, interior de São Paulo.

Cachaça Sapucaia na sede em Pindamonhangaba, interior de São Paulo.

Na região leste do estado de São Paulo, com aproximadamente cem mil habitantes, está Pindamonhangaba. A cidade, uma das mais importantes do Vale do Paraíba, foi onde surgiu a cachaça Sapucaia. Foi lá que Cícero do Prado decidiu introduzir culturas diversas. A cana de açúcar era uma delas.

Do cultivo, nasceu a ideia da bebida. “Desde o início, o foco da Sapucaia era ser um produto de qualidade, com apresentação superior. Isso, já em 1933, quando foi criada. “A visão empreendedora de Cícero era interessante, porque está alinhada ao que a gente fala hoje sobre a cachaça, de ser um produto de nobre e de exportação”, conta Alexandre Bertin que administra a marca desde 2008.

Nas mãos de Bertin, a Sapucaia mudou. A matriz em Pindamonhangaba transformou-se em uma espécie de marco histórico, importante pelo vínculo com o Vale do Paraíba  – e, desde 2015, a empresa passa a ser concentrada em Pirassununga, 200km de São Paulo/SP.

“Em Pirassununga, em breve, vamos fazer a destilação e já temos também todos os equipamentos, reservatórios e os barris de envelhecimento instalados”, conta. A nova casa da Sapucaia conta com um galpão de mil metros quadrados.

Cachaça Sapucaia Real 18 Anos

Sapucaia Real, 18 anos envelhecida no carvalho. Destilação e envelhecimento serão realizados agora em Pirassununga – SP.

A área expressiva condiz com a situação da marca. A Sapucaia tem crescido no mercado interno e externo. Dentro do Brasil, atende diversos estados, mas o público-alvo é São Paulo. Fora, os clientes se pulverizam. Holanda, Bélgica, Alemanha e Inglaterra são os principais destinos do produto.

“Já exportamos algumas vezes para os Estados Unidos, mas estamos buscando lá um parceiro para fazer um trabalho competente como temos feito na Europa, com visão de longo prazo, para construir a mesma imagem positiva da marca que temos no Brasil , porque acreditamos muito no crescimento do mercado , afirma Bertin sobre os planos da Sapucaia.”

Alambique da cachaça sapucaia

Alambique da cachaça Sapucaia em Pirassununga – SP

“Quando o assunto é a mudança na tributação de bebidas alcoólicas, especificamente da cachaça, ele acredita que é necessário reivindicar, mas continua focado no mercado e no trabalho a ser feito. Ao ser indagado se a nova alíquota alterou seus planos, ele apresenta um cenário diferente dos demais produtores: “Afetou, porém vou permanecer fazendo o que estava programado, porque nosso planejamento já era bastante conservador. No  momento que você entra no mercado de bebidas alcoólicas, um produto muito regulado e visado pelo governo, você tem que estar preparado para esse tipo de situação”.

“A cachaça já era altamente tributada. Não houve uma mudança na natureza do mercado e por isso, a área de bebidas alcoólicas sempre vai ser sempre muito visada. Temos que trabalhar em equipe e associações para nos defender sim, mas nossa visão empresarial é de que devemos nos manter firmes nos períodos de baixa e as conquistas irão aparecer quando o cenário se tornar positivo. A visão é de seguir em frente”, completa.

“A Sapucaia é uma marca muito antiga, com 83 anos e sentimos um compromisso forte em atender e manter nossos clientes e parceiros fiés”, explica.

[adsanity_group group_ids=5172 num_ads="2" num_columns="2"]
Mapa da Cachaça

Mapa da Cachaça

Somos uma referência cultural, histórica e sensorial sobre cachaça. Gosta de cachaça boa? Então siga o Mapa da Cachaça.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *